finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Petróleo bate novo recorde de alta

Em dia nervoso, os contratos de petróleo para novembro fecharam em novos recordes pela terceira sessão consecutiva em Londres (US$ 46,45, 1,13%) e Nova York (US$ 49,90, 0,52%). A alta foi impulsionada pelas crescentes preocupações sobre a oferta e expectativas de nova queda dos estoques comerciais norte-americanos. É o maior preço no mercado norte-americano desde 1983, quando o petróleo começou a ser cotado.Apesar do fechamento recorde, o barril fechou abaixo de US$ 50,00 em Nova York, depois de ter passado a maior parte da sessão acima desse valor. Analistas disseram que a alta foi contida pela promessa da Arábia Saudita de elevar a produção diária de 9,5 milhões para 11 milhões de barris nas próximas semanas, segundo a Associated Press.Pela manhã, os preços foram pressionados pelos temores de interrupção da produção da Nigéria, depois que rebeldes alertaram as companhias estrangeiras a fecharem as operações na área do delta do rio Níger. As empresas informaram que irão, por hora, ignorar a ordem, mas a Shell - que responde por metade da produção diária no país - disse que tem tomando medidas para proteger seu pessoal e que a produção está começando a ser afetada pelo conflito.Os preços também foram afetados pela expectativa de nova queda dos estoques comerciais nos EUA, após a paralisação parcial da atividade na região do Golfo do México por causa das tempestades.Apesar da alta recorde, as bolsa norte-americanas fecharam em leve alta. Dow Jones subiu 0,89% e a Nasdaq, 0,54%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.