Petróleo bate recorde com sinais de demanda forte na China

Barril em Nova York ultrapassa pela primeira vez a barreira dos US$ 119, segundo o 'Financial Times'

Da Redação,

22 de abril de 2008 | 13h42

Os temores em relação à oferta e sinais de forte demanda da China levaram o petróleo a superar a marca recorde de US$ 119 o barril, segundo informações do Financial Times. Na máxima intraday, o petróleo atingiu US$ 119,74 o barril para maio na Nymex eletrônica. Às 12h59 (de Brasília), o barril estava em alta de 1,8% em US$ 119,59. Uma combinação de forte demanda da China, ataques a unidades petroleiras na Nigéria e temores com o cenário da oferta da Arábia Saudita garantiram a disparada do petróleo. A demanda por petróleo na China parece estar se acelerando; as refinarias estão formando estoques antes dos Jogos Olímpicos. As importações de petróleo da China dispararam quase 25% para 4,07 milhões de barris em março, na comparação com o mesmo mês do ano passado. Na Nigéria, os rebeldes atacaram dois oleodutos da Shell no Delta do Níger na segunda-feira. A violência na Nigéria, maior exportador de petróleo da África, parece estar crescendo. Após um ataque a um oleoduto na semana passada, a Shell foi forçada a paralisar a produção de 169 mil barris por dia e declarar força maior sobre as exportações do petróleo Bonny Light de abril e maio. Cerca de 500 mil barris/dia da produção total da Nigéria de 2,47 milhões de barris/dia foi suspensa.  Preocupação Nesta terça-feira, durante o Fórum Internacional de Energia, produtores e consumidores de petróleo expressaram preocupação com o alto custo da commodity e afirmaram que os preços deveriam estar em níveis aceitáveis, especialmente para os países pobres que importam o produto. "Os ministros expressaram preocupação com o atual nível dos preços do petróleo", diz o comunicado final do Fórum.  (com Reuters)

Tudo o que sabemos sobre:
PetróleoChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.