coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Petróleo bate recorde com temor sobre abastecimento

Preocupação também com tensão entre Turquia e curdos no Iraque eleva custo em NY e Londres

Efe,

15 de outubro de 2007 | 17h05

O barril de petróleo Brent, de referência na Europa, voltou nesta segunda-feira, 15, a marcar um novo recorde em US$ 82,23 na Bolsa Intercontinental de Futuros de Londres. Após alcançar os US$ 81,39, o petróleo do Mar do Norte bateu essa marca no início da tarde, para US$ 81,93 o barril, número que fica agora abaixo do novo recorde histórico. O petróleo de referência na Europa continuou assim com sua tendência em alta registrada nas últimas semanas, já que também em setembro o Brent fazia história, quando chegou a uma cotação de US$ 81,05. As preocupações dos mercados sobre o abastecimento, que poderia não ser suficiente para o inverno no Hemisfério Norte, estão entre as causas cogitadas pelos especialistas para explicar os crescentes preços do petróleo. Além disso, a trajetória em alta do petróleo se deve, segundo os analistas, à tensão entre a Turquia e os curdos no norte do Iraque. Essa tensão, aliada a previsões de uma elevada demanda no que resta deste ano e no próximo também levaram os contratos para novembro do Petróleo Intermediário do Texas (WTI, leve) a um novo recorde meia hora antes do fechamento do pregão na Bolsa Mercantil de Nova York (NYMEX). Sobre isso, existe uma preocupação nos mercados de que a Turquia possa tomar uma ação militar unilateral contra os rebeldes curdos do norte do Iraque, depois que o Governo turco manifestou que não estava preocupado com as conseqüências diplomáticas de uma decisão desse tipo. Na semana passada, o Departamento de Energia dos Estados Unidos informou que as reservas de petróleo do país tinham caído na semana que terminou em 5 de outubro. Ao mesmo tempo, a Agência Internacional de Energia (AIE) indicou na semana passada que os estoques de petróleo dos países mais industrializados do mundo tinham diminuído. A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) manteve sem variação sua previsão sobre o crescimento da demanda mundial de petróleo em 2007 e 2008, que será de 1,52% e 1,56%, respectivamente, até ficar no próximo ano em uma média de 85,75 milhões de barris diários.

Tudo o que sabemos sobre:
Petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.