Petróleo bate recorde histórico de alta

O terrorismo continua sendo o principal motivo alegado pelos investidores para a nova alta recorde no preço do petróleo no mercado internacional. Como a segunda-feira foi feriado nos EUA e em Londres, só hoje o mercado repercutiu o atentado do final de semana na Arábia Saudita. Apesar de o ataque não ter atingido instalações petrolíferas, a sensação de insegurança no maior produtor de petróleo do mundo continua ditando os preços.Os contratos para entrega em julho na bolsa mercantil de Nova York subiram só hoje US$ 2,45, passando para US$ 42,33 o barril. Em Londres, o brent para julho subiu um pouco mais: US$ 2,50, para US$ 39,08 o barril. Nesta quinta-feira, a Opep se reúne em Beirute para debater a oferta da Arábia Saudita de elevar a produção em 2 milhões de barris por dia. No entanto, os produtores não estão unidos. A Venezuela, por exemplo, já disse ser contrária à proposta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.