Petróleo bate recorde nos EUA e Europa

Embarques abaixo do esperado, sanções contra Irã e tensão entre Turquia e curdos puxaram preços

Agência Estado,

25 de outubro de 2007 | 18h02

Os preços do petróleo bateram recorde depois de um relatório prevendo um volume de embarques abaixo do esperado da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) nas próximas semanas. Novas sanções dos EUA contra o Irã, combinado com a persistente tensão entre Turquia e rebeldes curdos, também pressionaram os preços. Veja também: EUA impõem novo pacote de sanções ao Irã Nos Estados Unidos, o petróleo subiu US$ 3,36 (alta de 3,86%) e fechou a US$ 90,46. Em Londres, o petróleo Brent superou a barreira dos US$ 87, e atingiu um novo recorde ao chegar à cotação de US$ 87,59, arrastado pelo temor dos mercados quanto a uma possível escassez de petróleo. A Oil Movement - companhia britânica de consultoria que acompanha o tráfego de petroleiros - informou que os embarques da Opep vão aumentar em apenas 20 mil barris/dia durante o período de quatro semanas até 10 de novembro. Segundo Gene McGillian, analista da TFS Energy Futures, os dados da Oil Movement apontam um aumento abaixo do esperado em comparação com o período imediatamente anterior de quatro semanas. Já o presidente do Parlamento do Iraque, deputado Mahmoud al-Mashhadani, advertiu a Turquia de que o governo iraquiano vai interromper o fornecimento de petróleo para o porto exportador turco de Ceyhan, caso a Turquia cumpra suas ameaças de impor sanções econômicas ao Iraque por causa das ações dos guerrilheiros separatistas curdos.

Tudo o que sabemos sobre:
Petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.