Karen Bleier/AFP
Karen Bleier/AFP

Petróleo cai abaixo de US$ 55 pela primeira vez em 5 anos e meio

Com oferta alta e demanda baixa, analistas e bancos continuam a cortar projeções para o preço do barril

O Estado de S. Paulo

05 de janeiro de 2015 | 10h11

Os preços do petróleo caíram a uma nova mínima nesta segunda-feira, 5, pressionados por preocupações sobre o excedente global e uma demanda fraca. O barril de petróleo Brent com vencimento em fevereiro fechou a US$ 53,11, nível mais baixo desde 1º de maio de 2009. O Brent acumula perdas por seis semanas consecutivas e registrou queda de quase 50% no ano passado.

Contexto. Grandes instituições financeiras, incluindo o Citigroup, cortaram suas previsões para os preços do petróleo em meio a temores de que a situação de oferta excessiva e demanda fraca terá continuidade durante boa parte de 2015.

A produção de petróleo da Rússia atingiu em 2014 um novo recorde da era pós-soviética, com média de 10,58 milhões de barris por dia, alta de 0,7%, segundo dados do governo. As exportações de petróleo do Iraque em dezembro foram as maiores desde 1980, segundo um porta-voz do Ministério do Petróleo.

"Já temos uma ampla oferta de petróleo e, além disso, vemos esse aumento no Iraque e na Rússia", comentou Michael Hewson, analista da CMC Markets. "A tendência continua claramente sendo de baixa para o petróleo."

Para o Morgan Stanley, o excesso de petróleo provavelmente crescerá ainda mais à medida que novos poços começarem a produzir no Brasil, África Ocidental, EUA e Canadá. Muitos desses projetos já estavam em andamento antes de os preços começarem a cair.

Hewnson prevê que o petróleo poderá chegar a US$ 50 por barril nas próximas semanas, uma vez que indicadores fracos da China e Europa tendem a prejudicar a perspectiva para a demanda.

O Citigroup, por sua vez, reduziu sua previsão para o Brent em 2015 de US$ 80 para US$ 63 por barril e também para o petróleo da Nymex, de US$ 72 para US$ 55 por barril. (Com informações da Reuters, Agência Estado e Dow Jones Newswires)

Tudo o que sabemos sobre:
PETROLEO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.