Petróleo cai após discurso de Bush

Os preços do petróleo caíram nos mercados internacionais depois do discurso do presidente dos EUA, George W. Bush. Segundo os operadores citando cresceu a percepção de que Bush, aparentemente, descartou a ameaça de um ataque iminente ao Iraque. Outros analistas creditavam a reação a um movimento de "compra no rumor e venda no fato". Às 9h18 (de Brasília), os contratos futuros do petróleo Brent para novembro recuavam US$ 0,43 (-1,52%), para US$ 27,80 por barril, após terem atingido a mínima de US$ 27,76 pela manhã, na International Petroleum Exchange (IPE), em Londres. No sistema eletrônico da New York Mercantile Exchange (Nymex), os contratos do petróleo cru com o mesmo vencimento eram negociados a US$ 29,19 por barril, com queda de US$ 0,45 (-1,52%). Em pronunciamento transmitido apenas por emissoras a cabo, Bush reiterou, ontem à noite, suas acusações ao presidente iraquiano, Saddam Hussein, e pressionou o Congresso dos EUA a votar resoluções que autorizem e legitimem uma guerra preventiva contra o Iraque. Os argumentos de Bush tiveram como pano de fundo pesquisas mostrando que os norte-americanos estão cada vez mais preocupados com a situação precária da economia do que com a necessidade de uma ação iminente contra a "ameaça Saddam". Uma pesquisa da rede CBS e do "New York Times" mostrou que 53% dos americanos acham que Bush está interessado em apenas tirar Saddam do poder, enquanto só 29% crêem que sua motivação seja a destruição do arsenal do Iraque. Mas Bush segue em sua campanha. A Câmara dos Representantes dos EUA inicia hoje o debate de uma resolução autorizando o presidente a usar a força contra o Iraque. A medida deve ser aprovada esta semana, seguindo para o Senado, onde a resistência à aprovação da resolução é maior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.