Petróleo cai com iniciativa saudita, mas volta a subir

Os contratos futuros do petróleo caíram nesta manhã, em reação a intenção desmonstrada pela Arábia Saudita de defender e atuar para manter o mercado abastecido, contendo assim a apreciação do preço da commodity e dos produtos do complexo. O apelo dos ministros das Finanças do G-8 à Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) para que eleve o teto da cota de sua produção também ajudou a manter os preços dos futuros em baixa. No entanto, os contratos já devolviam a queda no começo do dia. Traders dizem que, apesar da iniciativa saudita, os investidores continuam preocupados com as condições estreitas de oferta de petróleo frente à crescente demanda global. Às 8h32 (de Brasília), o contrato de julho do petróleo cru subia US$ 0,05 (0,13%), para US$ 39,98 o barril, no pregão eletrônico da Nymex. O contrato chegou a cair a US$ 39,45 o barril (-1,20%). O contrato de mesmo vencimento do brent subia US$ 0,14 (0,38%) em Londres, para US$ 36,65 o barril. Opep deixa decisão para reunião formalOs Ministros do Petróleo, que participam do Fórum Internacional de Energia, não chegaram a um consenso sobre a proposta de aumento da produção da Arábia Saudita, mas indicaram, conforme afirmação do presidente do grupo, que o assunto será definido na reunião formal de 3 de junho, em Beirute, informa a Dow Jones. Os ministros da Opep realizaram encontro privado sábado para discutir a situação do mercado e proposta saudita de elevar a produção. A proposta saudita previu inicialmente aumento de mais de 1,5 milhão de barris no teto de produção da Opep; na sexta-feira, elevou o montante para mais de 2 milhões de barris; no fim de semana, a proposta do Ministro saudita considerava elevação maior, de 2,5 milhões de barris. Mesmo assim, para insatisfação de muitos dentro da Opep, a Arábia Saudita declarou que o cartel deve elevar o teto de sua produção em cerca de 10% ou 2,5 milhões de barris por dia, acrescentando que seu país pode unilateralmente atender a demanda do mercado. Arábia diz que atenderá demandaAli Naimi, o ministro do Petróleo saudita, afirmou que já está embarcando 9,1 milhões de barris diários de petróleo, próximo a 10% acima do fornecido em abril pelas estatísticas da Agência Internacional de Energia, e que poderá elevar sua produção real para mais de 10,5 milhões de barris por dia em junho, se necessário. Domingo, Ali Naimi encontrou-se com o secretário de Energia dos EUA, Spencer Abraham. Segundo relatou Abraham, Naimi o assegurou que seu país irá atender os pedidos de todos os seus clientes para elevar sua capacidade de produção para até 10,5 milhões de barris diários, 37% acima de sua cota atual de produção dentro da Opep, segundo site de agência internacional de notícia. Alguns países que participam da Opep indicaram estar irritados com as iniciativas da Arábia Saudita, que não estaria agindo em harmonia ao grupo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.