Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Petróleo chega a quase US$ 142 em novo preço recorde

Opep vem sendo pressionada para aumentar a produção, mas membros estão divididos.

Da BBC Brasil, BBC

27 de junho de 2008 | 06h54

O preço do petróleo cru atingiu um valor recorde, chegando quase os US$ 142 o barril, em meio a temores de que os países produtores não poderão suprir a demanda.Em Londres, o petróleo do tipo Brent subiu para US$ 141,98 o barril - em Nova York o petróleo tipo leve chegou, na quinta-feira, a US$ 141,71.A Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) vem sendo pressionada para aumentar a produção, mas notícias recentes têm mostrado que os membros da organização estão divididos em relação à necessidade disso.A Líbia ameaçou reduzir a sua produção dizendo que o mercado estava bem suprido.O ministro do Petróleo do país, Shokri Ghanem, disse na quinta-feira que está examinando a possibilidade de reduzir a produção em resposta a ameaças americanas contra os produtores.A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou legislação que permitirá que o Departamento de Justiça entre com processo contra países membros da Opep por limitarem o fornecimento de petróleo e por fixarem preços.Mas a proposta ainda não foi votada no Senado e a Casa Branca já disse que vai vetá-la.Também há ceticismo entre analistas sobre se haverá realmente uma redução da produção líbia porque os preços estão elevados."Eu duvido que seja feito algum esforço real para reduzir a produção, levando-se em conta que os preços continuam atingindo novos recordes", disse Victor Shum, analista do setor energético da Purvin & Gertz, em Cingapura."Não há razão econômica para reduzir a produção neste momento, é só conversa."BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleocombustívelgasolinabarril

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.