Estadão
Estadão

Petróleo dispara 10% e tem maior avanço em um dia em seis anos

Reagindo à recuperação das bolsas chinesas e ao desempenho melhor que o esperado da economia dos EUA no 2º tri, contrato de petróleo mais negociado em Nova York, para outubro, fechou em alta de 10,26%, a US$ 42,56 por barril

O Estado de S. Paulo

27 de agosto de 2015 | 17h46

Os contratos de petróleo dispararam na sessão desta quinta-feira, reagindo à recuperação das bolsas chinesas e ao desempenho melhor que o esperado da economia dos Estados Unidos no segundo trimestre.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato para mais negociado, para outubro, fechou em alta de 10,26% (US$ 3,96), ao US$ 42,56 por barril, o maior avanço porcentual em um dia desde 12 de março de 2009. Em dólares, esse foi o maior ganho diário em três anos.

Comportamento semelhante foi visto na Intercontinental Exchange (ICE), onde o Brent para o mesmo mês fechou com elevação de 10,24% (US$ 4,42), a US$ 47,56 por barril. Essa foi a maior alta diária em dólares em três anos e o maior avanço porcentual desde 31 de dezembro de 2008.

O índice Xangai Composite, principal índice de ações chinês, saltou 5,34% hoje, compensando ao menos parcialmente as perdas dos últimos dias. Já nos Estados Unidos, os dados do Produto Interno Bruto surpreenderam positivamente, apontando expansão acima do esperado. O avanço anualizado no segundo trimestre foi de 3,7%, superando a expectativa de crescimento de 3,3% no período.

Analistas, entretanto, alertam que as condições de oferta e demanda continuam fracas e há poucos fundamentos que justifiquem uma disparada como a vista hoje.

"O movimento de hoje pode parecer espetacular, mas não é mais do que uma cobertura de posições de curto prazo", disse Anuraag Shah, do Tusker Capital. Fonte: Dow Jones Newswires

Tudo o que sabemos sobre:
petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.