Petróleo dispara com previsão de alta do consumo

Expectativa de crescimento do mercado leva preço do barril a US$ 72, o maior valor em oito meses

DOW JONES NEWSWIRES, O Estadao de S.Paulo

12 de junho de 2009 | 00h00

Pela primeira vez em dez meses, a Agência Internacional de Energia (AIE) elevou a previsão para a demanda mundial de petróleo em 2009, em resposta aos suaves sinais de melhora da atividade econômica que estão surgindo. Em seu relatório mensal sobre o mercado de petróleo, a AIE informou que espera que a demanda global por petróleo bruto neste ano totalize uma média de 83,3 milhões de barris por dia, acrescentando mais 120 mil barris por dia em relação ao prognóstico de demanda feito no levantamento de maio.Mesmo com a melhora, a previsão ainda é relativamente amarga ante os patamares de 2008, em razão do contexto atual da economia. A demanda neste ano deve recuar 2,9%, ou 2,5 milhões de barris por dia, em relação aos níveis do ano passado. Mesmo assim, a revisão em alta sinaliza que a acentuada deterioração da demanda por petróleo, provocada pela pior recessão global em 80 anos, deve terminar."É uma revisão relativamente modesta. Alguns dados macroeconômicos dos primeiros trimestres estão mais saudáveis do que o esperado, mas esse é apenas um começo", disse o editor do relatório da AIE, David Fyfe.Com sede em Paris, a AIE é um grupo de aconselhamento sobre energia para os grandes países consumidores, como os Estados Unidos e o Japão. A agência vinha sendo alvo de críticas de alguns analistas que consideravam seus prognósticos excessivamente pessimistas.A abordagem levemente mais otimista sobre a demanda mundial de petróleo se espelha em estimativas de outros grupos industriais, divulgadas em um momento em que o petróleo é negociado em torno de US$ 72 por barril nos Estados Unidos, o nível mais alto em oito meses. Dados econômicos mais encorajadores e um movimento de investimentos especulativos fizeram os preços do petróleo dobrarem desde o fim de 2008. Alguns analistas, contudo, destacam que esse grande salto de preço não terá sustentabilidade, caso a demanda por gasolina nos EUA, o maior consumidor mundial, não mostre crescimento significativo durante o verão.A AIE informou que prevê que a demanda de gasolina nos EUA registre crescimento a partir de junho ,pela primeira vez desde setembro de 2007, mas não forneceu números sobre a expansão prevista para o produto. A demanda total de petróleo dos EUA foi revisada para cima em 50 mil barris por dia, embora o consumo ainda deva mostrar um recuo de 4,8%, ou 1 milhão de barris por dia, para 18,6 milhões de barris por dia, neste ano.O prognóstico de consumo chinês de petróleo foi reajustado para cima em 40 mil barris por dia. A demanda neste ano deve cair 0,4%, para 7,9 milhões de barris por dia, ante os níveis de 2008.Fyfe informou que boa parte da revisão em alta da previsão de demanda refletiu a melhora na produção de plásticos e outros produtos petroquímicos na Ásia, além de uma recuperação da demanda para estocagem do produto pela China, o segundo maior país consumidor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.