Petróleo em alta com expectativa sobre Yukos e estoques nos EUA

O preço do petróleo no mercado futuro operam em alta nesta quinta-feira. Os investidores estão atentos ao resultado final da disputa judicial do governo russo com a companhia petrolífera Yukos e aos dados sobre os estoques norte-americanos que serão divulgados hoje à tarde. Às 8h45 (horário de Brasília), o contrato de petróleo brent no mercado futuro com vencimento em agosto subia US$ 0,46, com alta de 1,26%, para US$ 37,07 o barril em Londres. No pregão eletrônico da Nymex, o contrato do petróleo cru avançava US$ 0,45, com alta de 1,15%, para US$ 39,53 o barril.?Prevemos queda nos estoques de gasolina por conta do aumento da demanda antes do feriado de 4 de julho?, disse o Barclays Capital em Londres. "A oferta de gasolina segue apertada nos EUA, uma vez que os estoques continuam abaixo da média sazonal", acrescenta a instituição.Pesquisa conduzida pela Dow Jones mostrou que os analistas esperam em média retração de 836 mil barris nos estoques de gasolina. Quanto aos estoques de petróleo, a estimativa média é de alta de 700 mil barris.Situação da YukosA Yukos deixou ontem de cumprir ordem da corte russa de pagamento de US$ 3,4 bilhões referentes a impostos de 2000 cobrados pelo governo. Diante da falta do pagamento, a expectativa é que os oficiais de Justiça confisquem os bens da empresa - já congelados judicialmente. As contas bancárias da empresa também já estão congeladas.Os promotores alertaram a empresa que o governo poderá cobrar judicialmente impostos referentes a 2002 e 2003. O mercado teme que sua produção de 1,72 milhão de petróleo seja suspensa, caso a empresa seja declarada insolvente.IraqueNo começo do dia, os contratos de petróleo foram sustentados ainda por especulações de que as exportações de petróleo do Iraque não haviam sido normalizadas. No entanto, na manhã de hoje, um funcionário do primeiro escalão a estatal South Oil confirmou que as exportações iraquianas voltaram ontem ao nível de 1,8 milhão de barris ao dia, atualmente o máximo exportado pelo país. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.