Petróleo fecha abaixo de US$ 70 por barril com alta do dólar

Baixa foi de 0,95% nesta sexta-feira, fechando o preço e US$ 69,87, o menor em dois meses

Suzi Katzumata, da Agência Estado,

11 de dezembro de 2009 | 21h06

Os contratos futuros de petróleo caíram para as mínimas em dois meses em Nova York, uma vez que o dólar - mas não a demanda pela commodity - recebeu impulso dos sinais de aceleração no ritmo da recuperação econômica dos EUA, segundo traders e analistas.

 

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), os contratos de petróleo para janeiro fecharam a US$ 69,87 por barril, em baixa de US$ 0,67 (0,95%). Incluindo as transações do sistema eletrônico Globex/Nymex, a mínima foi de US$ 69,46 e a máxima de US$ 71,20.

 

Na ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para janeiro fecharam a US$ 71,88 por barril, em alta de US$ 0,02 (0,03%).

 

Entre o crescimento acima do esperado nas vendas no varejo de hoje e a inesperada queda na taxa de desemprego na semana passada, a recuperação econômica começou a colocar pressão de baixa sobre os preços do petróleo.

 

No início deste ano, os sinais de que o maior consumidor mundial de petróleo estava saindo da recessão alimentou esperança de que aumento na demanda. Ao contrário, a demanda estagnou nos EUA e a oferta de combustível está crescendo globalmente, embora os estoques de petróleo bruto possam começar a cair.

 

Porém, os investidores começaram a comprar o dólar, antecipando que uma recuperação mais rápida da economia pode levar o Federal Reserve a elevar o juro mais cedo do que se antecipa. Isso deixou os futuros de petróleo com pouco suporte para um movimento de alta e, com o rápido fortalecimento do dólar, os preços caíram.

 

Depois que o governo anunciou um aumento de 1,3% nas vendas no varejo em novembro, o dobro do esperado pelos economistas, o euro caiu para US$ 1,4586, de US$ 1,4777 no início do dia. Quando o dólar sobe, as commodities denominadas em dólar, como o petróleo, ficam mais caras para os consumidores que usam outras moedas.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.