Petróleo fecha acima de US$ 65 com temor sobre terrorismo e oferta

Os contratos futuros de petróleo subiram mais de US$ 2,00 e fecharam acima de US$ 65,00 o barril em Nova York, New York Mercantile Exchange (Nymex), impulsionados pelos temores relacionados com terrorismo no Oriente Médio e notícias sobre a suspensão da produção no Equador.Os participantes do mercado voltaram a ficar preocupados com a oferta após um ataque com míssil contra um navio da Marinha dos EUA estacionado na costa da Jordânia e a suspensão da produção de petróleo no Equador. Esses fatores superaram as preocupações anteriores de que os preços recordes da commodity podem estar desacelerando a demanda. "Na primeira parte da semana, as pessoas estavam preocupadas com relação à demanda e, então, esses fatos (míssil e Equador) ocorreram e agora as pessoas estão preocupadas com relação a oferta", disse Jim Rollyson, vice-presidente de energia da Raymond James & Associates. Um executivo da estatal Petroecuador disse que a "força maior", declarada ontem, atinge exportações de mais de 100 mil barris/dia para os EUA e pode durar até 60 dias. No início da tarde, um porta-voz do Exército do Equador disse que as forças de segurança haviam retomado o controle de "95% das instalações de petróleo".Contudo, analistas da Eurásia Group, de Nova York, disseram que tinham dúvidas quanto à retomada da atividade de produção de petróleo no Equador. "O governo espera negociar uma solução para a crise quando as tensões diminuírem, mas a produção de petróleo vai apenas acelerar quando os manifestantes concordarem em negociar com o governo", disse o analista da Eurásia, Patrick Esteruelas, em nota. Em junho, os EUA importaram cerca de 288 mil barris/dia de petróleo do Equador, sendo o 9º maior fornecedor do país, segundo dados do Departamento de Energia. "A paralisação (no Equador) pode afetar a Costa Oeste dos EUA mais do que o tamanho das importações de petróleo equatoriano pode sugerir", diz a nota da Eurásia.Na Nymex, os contratos de petróleo para setembro fecharam em US$ 65,35 o barril, alta de US$ 2,08 (+3,29%); a mínima foi de US$ 64,10 e a máxima de US$ 65,50.No sistema eletrônico da International Petroleum Exchange (Nymex), em Londres, os contratos de petróleo brent para outubro fecharam em US$ 64,36 o barril, em alta de US$ 1,96. A mínima foi de US$ 62,50 e a máxima de US$ 64,69. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.