Petróleo fecha em novo recorde, acima de US$ 108

"As pessoas parecem estar fechando os olhos para os preços e comprando", disse um analista

Renato Martins, da Agência Estado,

11 de março de 2008 | 18h14

O preço do petróleo fechou em nível recorde pelo segundo dia consecutivo na Bolsa eletrônico de Nova York (Nymex) e também na Intercontinental Exchange (bolsa de Londres). Operadores disseram que novos investidores entraram no mercado, para participar do movimento de alta dos preços, apesar de as projeções de demanda terem sido reduzidas. Veja também:BCs atuam para ajudar mercado de créditoInflação da China excede previsões e sobe a 8,7% em fevereiro Animadas após anúncio de BCs, bolsas européias fecham em altaESPECIAL: Preço do petróleo em altaO sobe e desce do dólar Entenda a crise nos Estados Unidos   Veja os efeitos da desvalorização do dólar  Na Nymex, os contratos de petróleo bruto para abril fecharam a US$ 108,75 por barril, em alta de US$ 0,85 (0,79%); a mínima foi em US$ 106,61 e a máxima em US$ 109,72 (também recorde). Em Londres, os contratos do petróleo Brent para abril fecharam a US$ 105,25 por barril, em alta de US$ 1,09 (1,05%), com mínima em US$ 103,30 e máxima em US$ 105,82.  Na manhã desta terça-feira, a Agência Internacional de Energia (AIE) rebaixou sua previsão para a demanda de petróleo nos países mais industrializados para 49,27 milhões por dia em 2008, 190 mil barris por dia a menos do que sua projeção anterior. A demanda global, porém, deverá crescer 2%, para 87,5 milhões de barris por dia. Já o Departamento de Energia dos EUA (DoE) disse que a demanda por petróleo no país deverá ficar em 20,74 milhões de barris por dia neste ano, com um crescimento de apenas 40 mil barris por dia em relação ao ano passado. "Parece que as pessoas estão se amontoando no petróleo. As pessoas parecem estar fechando os olhos para os preços e comprando. É cansativo ouvir que os fundos estão comprando, mas é isso o que está acontecendo", comentou Chris Mennis, presidente da corretora New Wave Energy. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
PetróleoCrise nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.