Dado Ruvic/Reuters - Arquivo 01/12/2021
Dado Ruvic/Reuters - Arquivo 01/12/2021

Guerra na Ucrânia: barril de petróleo atinge US$ 139, com possível sanção à commodity russa

Entre o fim da noite de domingo e a madrugada desta segunda, barril do tipo Brent, negociado em Londres, encostou em US$ 140 e só diminuiu de valor após notícias sobre corredor humanitário na Ucrânia

Sergio Caldas e Mariana Gualter, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2022 | 07h33

O barril de petróleo tipo Brent, negociado na Inglaterra, atingiu novo pico entre a noite de domingo e a madrugada desta segunda-feira, 7, no horário de Brasília, a US$ 139,13, em meio à possibilidade de o governo dos Estados Unidos impor embargos direcionados ao petróleo russo. No domingo, 6, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse que Washington e aliados europeus consideram banir importação de petróleo e gás natural russos, como retaliação à invasão à Ucrânia

Além disso, novos ataques do país comandado por Vladimir Putin ao território ucraniano também contribuíram para o avanço da commodity. 

No decorrer da madrugada, porém, os ganhos desaceleraram, após notícias de novo cessar-fogo e abertura de corredores humanitários em áreas ucranianas. Às 4h43, no horário de Brasília, o barril do petróleo WTI, negociado nos EUA, para abril, saltava 8,16%, na Nymex, a US$ 125,12, enquanto o do Brent, para maio, avançava 8,73% na ICE, a US$ 128,42.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleoRússiaUcrânia [Europa]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.