Petróleo não deve cair mais no curto prazo, diz especialista

O petróleo não deve cair mais no curto prazo e tende a ficar mais estável ao longo de 2007. A avaliação é de Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infra-Estrutura (CBIE) e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Segundo ele, o inverno mais ameno no Hemisfério Norte foi responsável pela queda de cerca de 17% nos preços da commodity desde o início do ano. "Parece que o inverno chegou, então você vai ter uma pressãozinha nos preços", explicou em entrevista à Agência Estado. Além disso, o especialista citou ainda as ameaças de corte de produção do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, como fator que de pressão sobre as cotações. "Parece que não teremos no curto prazo uma queda inferior a US$ 50", disse. "2007 vai ser um ano tranqüilo em termos de preço de petróleo. Ele deve ficar abaixo da média de 2006", acrescentou.Pires prevê que a commodity fique em torno de US$ 55, US$ 60 este ano e disse que US$ 55 seria uma cotação justa para o petróleo na conjuntura. Para ele, boa parte da alta do petróleo no ano passado era especulativo e parece que o mercado já devolveu esse prêmio. O diretor disse ainda que a Petrobras deverá segurar os preços nos patamares atuais, apesar da queda do petróleo. "A Petrobras perdeu receita por vender diesel abaixo do preço. Agora vai tentar recuperar a receita perdida. Ela vai adiar ao máximo mexer nos preços da gasolina e do diesel", avaliou. Para ele, é possível que algum ajuste para baixo possa ser feito em maio e junho, caso o barril continue entre US$ 50 e US$ 55.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.