coluna

Louise Barsi: O Jeito Waze de investir - está na hora de recalcular a sua rota

Petróleo nos EUA bate recorde e supera US$94 após Fed e estoques

Os estoques de petróleo diminuíram na semana passada, na contramão das expectativas

Reuters,

31 de outubro de 2007 | 18h50

O preço do petróleo nos Estados Unidos fechou em alta de US$ 4 após ter batido novo recorde durante as operações, impulsionado pelo anúncio do Federal Reserve de um corte na taxa básica de juros do país. Mais cedo, os preços superaram US$ 94, depois de o governo dos EUA anunciar que os estoques de petróleo diminuíram na semana passada, na contramão das expectativas.   Veja também: Juro anual nos Estados Unidos cai para 4,5% Dólar vai a R$1,738, menor nível desde março de 2000 Mercado oscila depois de decisão de juros nos EUA Na Nymex, em Nova York, os contratos de petróleo com entrega em dezembro subiram US$ 4,15, a US$ 94,53 por barril, maior patamar registrado em um fechamento, após ter sido negociado a US$ 94,74 - máxima histórica desde que os contratos futuros foram lançados nesse mercado, em 1983. O petróleo tipo Brent negociado em Londres teve alta de US$ 3,19, para US$ 90,13, após também ter atingido novo recorde, a US$ 90,94. "Os mercados de energia levaram em conta o corte de 0,25 ponto percentual feito pelo Fed, mas ainda havia quem esperava um corte de 0,5 ponto percentual, então você viu um rali acima de 94 dólares", disse Tom Knigth, operador da Truman Arnold em Texarkana, no Texas. Os preços da gasolina e dos derivados também subiram apesar de grandes ganhos nas reservas. "A notícia é obviamente altista, o grande recuo (dos estoques) de petróleo foi contra as expectativas", disse Tom Bentz, analista do BNP Paribas Commodity Futures em Nova York. A aposta de que o contrato dezembro chegará à marca de US$ 100 aumentou à medida que operadores compraram mais opções. A Administração de Informação de Energia dos EUA afirmou que na semana terminada em 26 de outubro os estoques domésticos de petróleo caíram em 3,9 milhões de barris, para 312,7 milhões, indo contra uma previsão da Reuters que indicava uma alta de 600 mil barris.

Tudo o que sabemos sobre:
PetróleoFedJuro nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.