Petróleo nos EUA fecha com queda de mais de 4%

Os futuros do petróleo negociados nosEstados Unidos fecharam com queda de mais de 4 por cento naterça-feira, depois de registrarem a maior queda de preço em 17anos, conforme traders realizaram lucros após os preços dasações terem despencado por preocupações econômicas. A normalização da produção da bacia de Campos, com um planode contingência da Petrobras para evitar prejuízos decorrentesda greve dos petroleiros, e a retomada do funcionamento de umduto na Nigéria pressionaram a commodity mais cedo na sessão. Mas a queda foi acelerada depois de o chairman do FederalReserve, Ben Bernanke, ter falado sobre os sérios riscoseconômicos que os EUA enfrentam. Na bolsa de Nova York, o contrato agosto perdeu 6,44dólares, ou 4,44 por cento, para fechar a 138,74 dólares obarril, negociado entre 135,92 e 146,73 dólares. Essa foi a maior perda no fechamento em dólares desde queos preços fecharam com queda 10,56 dólares em 17 de janeiro de1991, no início da Guerra do Golfo. Na mínima do dia, a perda de 9,26 dólares, ou 6,4 porcento, em relação ao fechamento de segunda-feira também foi amaior queda intradia em dólares desde 17 janeiro de 1991. Em porcentagem, a queda do dia no fechamento foi a maiordesde que os preços retrocederam 4,51 por cento, ou 4,94dólares, em 19 de março. Na sexta-feira o petróleo registrou recorde a 147,27dólares. Em Londres, o agosto do Brent perdeu 5,17 dólares nestaterça-feira, ou 3,59 por cento, cotado a 138,75 dólares, apóster sido negociado entre 134,96 e 145,55 dólares. "O colapso dos preços hoje (...) indica um mercado depetróleo que está ficando mais preocupado com o impacto de umaeconomia norte-americana, que se deteriora rapidamente, do quecom o contínuo enfraquecimento do dólar", disse JimRitterbusch, presidente da Ritterbusch and Associates. As ações nos EUA caíram depois de Bernanke ter dito aoCongresso que o fraco mercado de moradias, o crédito maisapertado e a elevação dos preços do petróleo ameaçam aeconomia. (Por Gene Ramos e Robert Gibbons)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.