Petróleo nos EUA fecha em alta por preocupação com Irã

Na Nymex (bolsa eletrônica de NY), o barril do petróleo fechou em alta de US$ 5,60, ou 4,12%, a US$ 141,65

Reuters,

10 de julho de 2008 | 17h24

Os preços do petróleo nos Estados Unidos saltaram nesta quinta-feira, impulsionados por notícias do segundo dia de testes de mísseis pelo Irã e por preocupações sobre mais ações de militantes na Nigéria. Na Nymex (bolsa eletrônica de Nova York), o barril do petróleo fechou em alta de US$ 5,60, ou 4,12%, a US$ 141,65, sendo negociado entre US$ 135,43 e US$ 142,10. O petróleo atingiu um recorde a US$ 145,85 em 3 de julho. Em Londres, o agosto do petróleo tipo Brent subiu US$ 5,45, ou 3,99%, para fechar a US$ 142,03 por barril, após ser negociado entre US$ 136,18 e US$ 142,39. "Nada novo impulsionou o petróleo", disse Peter Beutel, presidente da consultoria Cameron Hanover, referindo-se à última alta. Beutel e outros analistas e operadores disseram que as mesmas notícias da manhã sobre os teste de mísseis do Irã, os militantes nigerianos largando o cessar-fogo impostos por eles mesmos e um alerta do secretário geral da Opep sobre investimentos alimentaram a alta. O Irã testou mais mísseis no Golfo Pérsico nesta quinta-feira, informou a mídia estatal, e os Estados Unidos lembraram Teerã que estão prontos para defender seus aliados. Uma autoridade da inteligência norte-americana afirmou que não ouviu nada sobre rumores de um terceiro teste de mísseis no Irã nesta quinta-feira. Anteriormente, a mesma autoridade, que pediu para não ser identificada, disse que o Irã realizou o segundo teste de mísseis em menos de 24 horas. O principal grupo militante do delta do Niger, na Nigéria, afirmou nesta quinta-feira que está abandonando seu cessar-fogo unilateral, em protesto a uma proposta britânica para ajudar a combater a desordem na região. O dólar caiu frente a uma cesta de moedas, pressionado por novas preocupações sobre o crédito, após a queda das ações da principais concessoras de hipotecas Fannie Mae e Freddie Mac.

Mais conteúdo sobre:
Preço do petróleoPetróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.