Petróleo opera em baixa com realização de lucros

Os contratos futuros de petróleo operam em baixa na manhã desta segunda-feira, 8, com alguns investidores embolsando lucros da alta recente nos preços, mas o quadro no curto prazo indica que a commodity vai se recuperar em meio a uma combinação de fatores econômicos, geopolíticos e de fundamentos.

08 de julho de 2013 | 09h00

Um programa de embarques mais curto no Mar do Norte em agosto, a melhora na perspectiva de demanda nos EUA e riscos de oferta na região do Oriente Médio têm feito o brent atingir máximas em três meses e o contrato negociado na Nymex alcançar níveis não vistos desde abril de 2012.

Embora a esperada diminuição de embarques no Mar do Norte no mês que vem tenha sido precificada, o mercado ficará muito sensível a qualquer ocorrência relacionada a oferta, comentou a JBC em nota a clientes.

Incertezas no Oriente Médio, grande área produtora de petróleo, também vêm dando sustentação à commodity. Continuam as preocupações com possíveis bloqueios de embarques de petróleo pelo Canal de Suez, uma importante rota de trânsito, e a paralisação no principal terminal de petróleo da Líbia, ocorrida na semana passada, também compromete a oferta.

Os preços do petróleo tiveram forte alta durante a revolução líbia em 2011 e em meio às sanções impostas ao Irã no ano passado.

Como os EUA importam mais de 170 milhões de barris por dia do Oriente Médio, qualquer indicação de problemas na região tem reflexos no mercado norte-americano. Além disso, o contrato negociado na Nymex vem sendo beneficiado pela trajetória de recuperação dos EUA. Na última sexta-feira, dados melhores do que o esperado do mercado de trabalho norte-americano alimentaram esperanças de demanda crescente pela commodity no futuro.

Nesta manhã, no entanto, a realização de lucros está pesando mais. Às 7h56 (de Brasília), o brent para agosto caía 0,54% na plataforma ICE, para US$ 107,14 por barril, enquanto o contrato para o mesmo mês na Nymex recuava 0,19%, para US$ 103,02 por barril. Fonte: Dow Jones Newswires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.