Petróleo recorde e fraqueza nos EUA abatem investidor asiático

Temores sobre economia americana e elevação do barril derrubam mercados; bolsas da China registram alta

Agências internacionais,

03 de janeiro de 2008 | 08h45

As bolsas de valores da Ásia encerraram a quinta-feira, 3, em baixa, após um fraco dado do setor manufatureiro americano e um novo recorde do petróleo renovarem os temores sobre uma recessão nos Estados Unidos. Segundo a Dow Jones, a exceção foi registrada pelas Bolsas da China. A Bolsa de Tóquio continuou fechada.   O membro indonésio da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), Maizar Rahman, disse que o preço do petróleo pode ficar em uma faixa de US$ 100 a US$ 110 o barril e que o cartel poderá ter que elevar sua produção na próxima reunião. Dados da véspera mostraram que o índice do setor manufatureiro dos EUA caiu em dezembro pela primeira vez em quase um ano. O país é o principal destino das exportações asiáticas.   "As pessoas estão mostrando preocupação sobre as perspectivas gerais da economia. O petróleo é um custo essencial que muitas empresas enfrentam", disse o analista da White Funds Management Angus Gluskie.   O índice MSCI, que reúne as ações asiáticas excluindo o Japão, caía 1,30% pela manhã. O mercado de Tóquio esteve fechado em razão dos feriados de final de ano e retoma as operações na sexta-feira. A bolsa da Austrália encerrou em baixa de 1%. A Coréia do Sul teve variação negativa de 0,04%e o mercado em Cingapura perdeu 1,85%.   A queda de ações de bancos chineses, decorrente dos temores de que o país possa adotar medidas de aperto monetário para esfriar sua economia, fizeram com que o principal índice da Bolsa de Hong Kong fechasse em baixa. O Hang Seng caiu 673,24 pontos, ou 2,44%, e fechou aos 26.887,28 pontos.   Em Taiwan, a Bolsa de Taipé registrou queda com baixo volume de negociações, seguindo o desempenho de Wall Street na quarta e dos mercados regionais. O índice Taiwan Weighted registrou baixa de 1,7% e fechou aos 8.184,20 pontos. As quedas dos setores de eletrônicos (-2,8%) e borracha (-2,7%) lideraram a movimentação.   A Bolsa de Cingapura caiu pelo segundo dia seguido, na esteira de Wall Street, que tombou em reação à contração mostrada no indicador de atividade industrial de dezembro divulgado na quarta. O índice Straits Times recuou 1,9% e fechou aos 3.397,06 pontos.   Preocupações com a alta do petróleo também influíram no desempenho negativo da bolsa. A maior baixa foi da Noble Group, de 5,4%. Singapore Airlines perdeu 0,6% após informação de que a companhia e a Temasek Holdings Pte Ltd. não apresentarão nova oferta por 24% de participação no capital da China Eastern Airlines Corp se os acionistas da empresa aérea forem desfavoráveis ao negócio em reunião no dia 8 de janeiro. É esperado que a Air China Ltd., que detém 12,07% da China Eastern, vote contra a proposta.   O mercado da Indonésia fechou em baixa devido às preocupações com a elevação das taxas de juro pelo banco central do país, por conta das expectativas de alta da inflação em dezembro. O índice composto da Bolsa de Jacarta recuou 0,6% e fechou aos 2.715,06 pontos e a tendência para sexta-feira é de outra queda, influenciada pelo aumento dos preços do petróleo e a possibilidade de uma recessão nos Estados Unidos. Bank Mandiri caiu 3,6%, Bank Rakyat declinou 2% por temores de que a alta nos juros corte suas margens de lucro. A peso pesado Telkom cedeu 1% depois da desvalorização de seus ADRs em Nova York. A alta dos preços do óleo de palma cru beneficiou os papéis da produtora Astra Agro, que subiram 4,6%.   O mercado tailandês seguiu os demais da região asiática e, igualmente afetado pela alta do petróleo a mais de US$ 100 o barril, encerrou em baixa. O índice SET da Bolsa de Bangcoc cedeu 1,2% e fechou aos 832,63 pontos. Entre os papéis mais ativos da sessão, PTT caiu 2,2%, PTT Aromatics & Refining recuou 1,6%, Banpu cedeu 3,6%, Thoresen Thai Agencies despencou 8,3% e Siam Commercial Bank desvalorizou 3,6%.   O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, teve leve baixa de 0,02% e fechou aos 1.435,38 pontos. As realizações de lucros pesaram em uma grande quantidade de ações na seqüência da batida em retirada dos investidores em Wall Street e da alta recorde dos preços do petróleo. As principais quedas foram de Genting (3,2%), Bursa (2,1%) e Maybank (0,9%). Altas tiveram Sime Darby (3,5%), IOI Corp (4%) e Proton.

Mais conteúdo sobre:
petróleobolsaÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.