Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Petróleo retoma caminhada rumo aos US$100 por barril

O petróleo eliminou a queda do começodesta quinta-feira para retomar a marcha rumo aos 100 dólarespor barril. A alta ganhou força à medida que a preocupação comuma escassez no inverno e a contínua queda do dólarinterromperam uma realização de lucros. Às 10h55 (horário de Brasília), o petróleo nos EstadosUnidos para entrega em dezembro subia 0,52 dólar, para 96,89dólares por barril. Em Londres, o Brent tinha alta de 0,89 porcento, para 94,13 dólares. O petróleo caiu mais de 1 dólar no começo do dia com apossibilidade de uma demanda fraca por petróleo nos EstadosUnidos e uma queda nos mercados acionários. Com isso, o mercadodevolveu parte dos ganhos acumulados quando o barril dacommodity atingiu 98,62 dólares. "(É um exemplo de) dar um passo atrás para dar um saltomaior para a frente... As razões pelas quais estamos aqui nãomudaram de fato", disse Harry Tchlinguirian, analista do BNPParibas. Os preços do petróleo subiram quase 40 por cento nosúltimos três meses depois que a queda do dólar, a forte demandaglobal por petróleo e o menor fornecimento da commodityatraíram um enorme investimento especulativo. Mas as operaçõesficaram mais voláteis à medida que a cotação se aproxima de 100dólares. "Mais e mais dinheiro de investidores foi para ascommodities em meio à queda do dólar", disseram analistas doJPMorgan em nota. "Esse fluxo reforçou a correlação negativaentre petróleo e dólar, e a operação nos dois mercados juntosestá em voga novamente." O dólar mais uma vez se aproximava dos menores níveis anteo euro nesta quinta-feira. As ações globais atingiram o menor nível em duas semanasnesta quinta, depois do tombo de Wall Street na véspera, porcausa de uma série de notícias negativas sobre os setoresfinanceiro e hipotecário dos Estados Unidos. Analistas dizem que o petróleo pode superar 100 dólares porbarril nos próximos dias em meio à expectativa de que osestoques nas maiores nações consumidoras cresça menos nopróximo inverno. Ainda assim, dados do governo norte-americanodiminuíram levemente essa preocupação na quarta-feira. No mês passado, a demanda por combustível nos EstadosUnidos caiu 0,4 por cento em relação ao mesmo período do anoanterior, informou a Administração de Informação de Energia nosEstados Unidos em relatório semanal. Ela também mostrou que osestoques caíram na semana passada em apenas 800 mil barriis,menos que o esperado. Os estoques de gasolina também perderam 800 mil barris, masas reservas de óleo para aquecimento aumentaram em 600 milbarris, mostraram os dados. (Reportagem adicional de Jonathan Leff, em Cingapura, eBernie Woodall, em Los Angeles)

SANTOSH MENON, REUTERS

08 de novembro de 2007 | 11h18

Tudo o que sabemos sobre:
PETROLEOSOBE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.