Petróleo sobe com suspeita de terror

Os contratos futuros do petróleo sobem na sequência das preocupações de ontem com terrorismo, em consequência dos ataques em Madri. A perspectiva de aumento na demanda global por petróleo nesse ano, por conta de relatório divulgado ontem pela IEA, e a interrupção na distribuição de petróleo do Equador também ajudavam a sustentar os preços. O contrato do petróleo cru com vencimento em abril chegou a US$ 37,20 o barril nesta manhã no mercado eletrônico da Nymex, aproximando-se da máxima de US$ 37,50 da semana passada. Às 9h19 (de Brasília), o contrato valia US$ 37,00 o barril, alta de US$ 0,22 (0,60%). O petróleo brent, negociado em Londres, avançava US$ 0,20 (0,61%), para US$ 33,03 o barril em Londres. No Equador, as exportações de petróleo da estatal Petroecuador foram suspensas ontem, após deslizamentos de terra terem danificado várias partes de um oleoduto próximo a cidade de Baeza, a cerca de 120 quilômetros da capital Quito. Dos 500 milhões de barris produzidos diariamente pelo Equador, 200 mil provêm da Petroecuador. Segundo a companhia, seria o maior acidente registrado nos últimos 20 anos.

Agencia Estado,

12 Março 2004 | 09h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.