Petróleo sobe mais de US$2 com ameaça de greve na Nigéria

Os preços do petróleo nos EstadosUnidos fecharam em alta nesta quarta-feira, perto de 137dólares por barril, com notícias de ameaça de greve detrabalhadores da Chevron na Nigéria, importante produtormundial. Além disso, a avaliação da Casa Branca de que nenhumanúncio de aumento da produção será feito na cúpula comprodutores e consumidores, no próximo fim de semana, em Jidá,deu sustentação ao mercado. Alguns operadores, analisando a revisão dos dados deestoques divulgados nesta manhã, afirmaram que a queda nasreservas de petróleo e uma surpreendente baixa nas importaçõesde gasolina deram suporte à commodity. Na Nymex, o contrato julho subiu 2,67 dólares, ou 1,99 porcento, a 135,71 dólares por barril, após ter sido negociadoentre 131,82 e 136,88 dólares. O petróleo atingiu um recorde a 139,89 dólares nasegunda-feira. Após operar em queda, os futuros do petróleo subiram apósum sindicato do setor petrolífero nigeriano afirmar que asnegociações com Chevron fracassaram e que trabalhadores estãoprontos para iniciar uma greve "a qualquer momento". As notícias coincidiram com a Casa Branca afirmando que nãoespera um anúncio de aumento da produção do petróleo dossauditas na conferência com produtores e consumidores em Jidáneste domingo."As notícias sobre os trabalhadores nigerianos da Chevronestarem prontos para entrar em greve está desestabilizando,pois eles produzem petróleo leve, que nós queremos, e, se aOpep não elevar a produção...", disse Mark Waggoner, presidenteda Excel Futures. Em Londres, o petróleo tipo Brent fechou em alta 2,72dólares, ou 2,03 por cento, a 136,44 dólares por barril, sendonegociado entre 132,14 e 136,60 dólares. (Reportagem de Gene Ramos e Robert Gibbons)

REUTERS

18 de junho de 2008 | 17h32

Tudo o que sabemos sobre:
PETROLEOFECHAATUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.