Petróleo subirá a US$ 100 se Bush atacar o Irã

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, alertou que "se o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, atacar o Irã, o preço do barril de petróleo subirá para US$ 100". A declaração foi publicada nesta segunda-feira pela revista alemã WirtschaftsWoche."Não há petróleo suficiente para satisfazer o desperdício dos Estados Unidos. Este é o motivo real por trás da tentativa de golpe de Estado contra nós: querem nosso petróleo. O plano seguinte foi contra o Iraque e, finalmente, contra o Irã", disse. O presidente venezuelano reiterou que considera justo o preço de US$ 50 por barril de petróleo.Chávez rejeitou a acusação de ter ajudado o Irã a construir a bomba atômica. "Ridículo. Não temos experiência na criação da bomba atômica e estou convencido de que os iranianos não querem construir uma bomba atômica. Foram os americanos que lançaram bombas atômicas sobre Hiroshima e Nagasaki", lembrou."Os iranianos também têm o direito de desenvolver energia nuclear. É a resposta à crise do petróleo que está surgindo", afirmou Chávez. O governante insistiu em que "se trata de energia com fins pacíficos"."A América Latina se volta para a esquerda porque está cansada do neoliberalismo, que aumentou a pobreza e a miséria em nosso hemisfério", afirmou o presidente da Venezuela na entrevista."Bush é a pessoa mais imoral que existe neste planeta", acrescentou Chávez, que também criticou duramente a política externa dos Estados Unidos.Intromissão O governante venezuelano chamou os Estados Unidos de "campeão da intromissão na América Latina e no Caribe" e "da intervenção em países estrangeiros". "Os americanos se intrometem aqui há 200 anos. Tentaram impedir nossos resultados eleitorais, deram milhões aos rebeldes, se aliaram aos veículos de comunicação críticos ao Governo, espionaram e previram intervenções militares", disse.Na opinião do presidente da Venezuela, "os americanos são os campeões da imoralidade". Chávez defendeu a criação de "uma alternativa no comércio" e disse que pretende "romper com o modelo econômico neoliberal"."Abastecemos o Uruguai de petróleo e investimos. Em troca, o Uruguai nos manda vacas", assim como software, disse Chávez. "Leite em troca de petróleo. Os argentinos também pagam com vacas e nos abastecem com laboratórios agrícolas e equipamento médico contra o câncer", concluiu o presidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.