Petróleo supera US$ 67,00 pela 1ª vez e fecha a US$ 66,86

Os contratos futuros de petróleo voltaram a registrar novos recordes na New York Mercantile Exchange (Nymex), chegando a oscilar brevemente acima de US$ 67,00 o barril, impulsionados pelas crescentes preocupações relacionadas com a oferta do produto. O movimento de alta ocorreu em meio a um forte volume negociado, com especuladores e investidores estabelecendo novas apostas de alta dos preços diante dos temores de que problemas nas refinarias e outras ameaças à oferta elevem ainda mais os preços na próxima semana. "Com outra refinaria tendo um problema e o final de semana pela frente, houve uma agitação de compras de segurança e cobertura de vendas a descoberto", disse Carl Larry, diretor de futuros do Barclays Capital em Nova York. No mais recente incidente relatado, uma falha de energia levou a suspensão da atividade da refinaria da Premcor Inc, em Memphis - com uma capacidade de 180 mil barris/dia. Na Nymex, os contratos futuros de petróleo com vencimento para setembro fecharam em US$ 66,86 o barril, em alta de US$ 1,06 (+1,61%); a mínima foi de US$ 66,00 e a máxima de US$ 67,10. No sistema eletrônico da International Petroleum Exchange (IPE), referência do petróleo em Londres, os contratos de petróleo brent para setembro fecharam em US$ 66,45 o barril, em alta de US$ 1,07; a mínima foi de US$ 65,10 e a máxima de US$ 66,77. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.