Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Petróleo tem a maior queda em dólar desde janeiro de 1991

Com a queda desta sexta-feira, de mais de US$ 6, o preço do barril quase zerou os ganhos da semana

Suzi Katzumata, da Agência Estado,

22 de agosto de 2008 | 17h50

O preço do petróleo teve a maior queda (em dólar) desde 17 de janeiro de 1991 - quando a commodity caiu US$ 10,56 por barril -, pressionados pelo fortalecimento do dólar nos mercados de moedas, segundo traders e analistas. Com a queda desta sexta-feira, 22, o preço do barril quase zerou os ganhos da semana.   Veja também: Não há nenhuma decisão tomada sobre o pré-sal, diz Mantega Mapa da exploração de petróleo e gás Entenda as discussões sobre as mudanças na Lei do Petróleo País pode ter o terceiro maior campo de petróleo do mundo A maior jazida de petróleo do País   Na New York Mercantile Exchange (Nymex), os contratos de petróleo para outubro caíram US$ 6,59 (5,44%) e fecharam a US$ 114,59 por barril, encerrando a semana com uma valorização de apenas US$ 0,65 por barril sobre a cotação de sexta-feira passada. Incluindo as transações do sistema eletrônico Globex, a mínima foi de US$ 114,18 por barril e a máxima de US$ 121,86 por barril.   Os traders atribuíram o fechamento negativo desta sexta ao fortalecimento do dólar e a retirada das tropas da Rússia da Geórgia. Além disso, também pesaram sobre os preços forças técnicas, incluindo um número relativamente pequeno de transações e o rompimento de vários níveis de preços que eram atentamente observados, segundo participantes do mercado. "Fraco volume no caminho de alta e fraco volume no caminho de baixa", disse Tony Rosado, operador da GA Global Markets.   Em Londres, no sistema eletrônico da ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para outubro caíram US$ 6,24 (5,19%) e fecharam a US$ 113,92 por barril. A mínima foi de US$ 113,38 e a máxima de US$ 120,91. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
PetróleoMercado financeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.