Petróleo tem queda forte, em reação à turbulência financeira

Os preços do petróleo nos Estados Unidos caíram mais de 4% nesta segunda-feira, 17, à medida que especuladores venderam seus contratos futuros para embolsar lucros e reduzir sua exposição em commodities, em meio a um maior declínio dos mercados financeiros mundiais. Os mercados globais caíram fortemente nesta segunda-feira, após o JPMorgan Chase conseguir fechar acordo para adquirir o banco de investimento Bear Stearns pelo preço mínimo de US$ 2 por ação. Na Nymex, o contrato abril fechou em queda de US$ 4,53, ou 4,11%, em seu pior declínio diário em mais de sete meses, para fechar a US$ 105,68 por barril. Em Londres, o petróleo tipo Brent fechou em queda de US$ 4,14, a US$ 101,75 por barril. O petróleo operou com forte de volatilidade nesta segunda-feira, sendo negociado entre US$ 103,23 e o recorde US$ 111,80 por barril. "Neste ambiente, dinheiro é rei. As pessoas irão puxar seus portfólios para níveis em que elas fiquem mais confortáveis", disse Tim Evans, analista de futuros de energia do Citigroup. O JP Morgan concordou no domingo em comprar o Bear Stearns, após seu rival sofrer uma forte crise de liquidez na semana passada. Ao mesmo tempo, o Federal Reserve expandiu seus empréstimos para firmas de seguros pela primeira vez desde a Grande Depressão, em uma tentativa de alavancar a confiança dos investidores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.