Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Petrolífera portuguesa quer ampliar sua participação no Brasil

A petrolífera portuguesa Galp Energia quer ampliar sua participação no Brasil. O ponto é um dos destaques de prospecto da Oferta Pública de Venda (OPV) da companhia divulgado nesta segunda-feira pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), de Lisboa. O aumento da participação no Brasil (e também em Angola), foi uma das vantagens competitivas mencionadas pela Galp no âmbito da entrada da companhia na Bolsa de Lisboa, em 24 de outubro.Segundo o prospecto, a companhia quer investir 769 milhões de euros até 2010 para reforçar atividades de exploração e distribuição de petróleo. A atuação da empresa no Brasil mereceu destaque no informe, que faz parte da estratégia da Galp para se tornar um operador de referência no mercado ibérico. Da estratégia faz parte ainda a otimização das capacidades de refino, com investimento de 1 bilhão de euros.A petrolífera afirma que tem uma quota no mercado português de cerca de 51% no mercado de produtos refinados e de 37% no mercado de distribuição de combustíveis. No setor de gás natural, a Galp controlava, até o final do ano passado, 72% do mercado português de distribuição.No Brasil, a Galp assinou este ano sua participação na concessão de 30 novos blocos exploratórios, adquiridos em parceria com a Petrobras na Sétima Rodada de Licitações da ANP, no final do ano passado.No total, a companhia, por meio de sua subsidiária Petrogral, possui participações em 54 blocos em território brasileiro, sendo a maior parceira da Petrobras em número de consórcios formados na atividade de Exploração e Produção.Dez blocos estão localizados em águas profundas e 44 em terra, cabendo à Galp Energia a responsabilidade da operação em 29 destes blocos terrestres, onde detém 50%, situados nas bacias sedimentares dos Estados do Rio Grande do Norte, Sergipe, Alagoas e Espírito Santo.

Agencia Estado,

09 de outubro de 2006 | 16h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.