portfólio

E-Investidor: qual o melhor investimento para 2020?

Peugeot demite 250 na fábrica de Porto Real, no Rio

Funcionários estavam em licença remunerada desde janeiro; vendas da montadora caem 5% no bimestre

Beth Moreira, da Agência Estado,

31 de março de 2009 | 11h18

A montadora francesa Peugeot Citroën (PSA) demitiu 250 funcionários da fábrica de Porto Real, no Rio de Janeiro, que estavam em licença remunerada desde janeiro, para adequar-se ao novo cenário de queda nas vendas. No acumulado do primeiro bimestre, a empresa comercializou 21.240 unidades no mercado brasileiro, com queda de 5% em relação a igual intervalo de 2008. As exportações de veículos, por sua vez, registraram queda de 30% no período, enquanto as vendas externas de motores caíram 78%.

 

Veja também:

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

A empresa informa que outros 450 trabalhadores que estavam em férias coletivas desde janeiro voltarão ao trabalho esta semana para reforçar os dois turnos de trabalho da montadora. Em nota, a companhia diz que as demissões e reintegrações resultaram de negociações com o sindicato local durante todo o mês de março. Os trabalhadores demitidos terão direito a mais três meses de plano saúde e auxílio-alimentação pelo mesmo período.

 

"Assim, funcionando em dois turnos, a fábrica de Porto Real terá um efetivo de aproximadamente 3.000 funcionários, um número 30% superior aos 2.300 colaboradores que trabalhavam na unidade industrial em 2007, antes da adoção do terceiro turno, quando as linhas de montagem também funcionavam em duas equipes", destaca a companhia.

 

A montadora argumenta ainda que desde o fim de 2008 adotou várias medidas para preservar o seu efetivo no Brasil. Em dezembro, concedeu férias coletivas para os funcionários de sua fábrica de Porto Real. No início de janeiro deste ano, o terceiro turno foi colocado em licença remunerada por três meses. E, entre 26 de janeiro e 24 de fevereiro, a empresa adotou um novo período de férias coletivas para toda a fábrica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.