PF e Receita prendem 17 em Operação Canabrava

Eles participavam de esquema de venda de álcool sem emissão de notas fiscais e ocultação de valores

Ana Luísa Westphalen e Carina Urbanin, da Agência Estado, Agencia Estado

12 de junho de 2008 | 15h47

A Polícia Federal e a Secretaria da Receita Federal do Brasil prenderam nesta quinta-feira 17 envolvidos em um esquema de sonegação de impostos no setor sucroalcooleiro. Foram seis detenções na Capital, sete em Penápolis (SP) e uma em cada um dos municípios de Avanhandava (SP), Campo Grande (MS), Itauçu (GO) e Promissão (SP).   Veja também:  As ações da Polícia Federal no governo Lula   A ação faz parte da Operação Canabrava, iniciada hoje em conjunto com para desarticular o esquema de venda de álcool sem emissão de notas fiscais e ocultação de valores, que dificultam o trabalho da fiscalização e, conseqüentemente, a arrecadação de tributos. Estima-se que a sonegação alcance R$ 2 bilhões.   De acordo com o auditor fiscal da Receita Federal em São Paulo, Vitor Casimiro, já foram vistoriadas 40 empresas das 160 envolvidas, onde foram coletados documentos contábeis que possam auxiliar nas investigações. A operação é realizada nas cidades de São Paulo, Araçatuba, Penápolis, Promissão, Avanhandava, Ipaussu, Guarujá, Martinópolis e São José do Rio Preto. Na operação trabalham 180 servidores federais.   Segundo informações da Receita, o esquema envolvia a contratação de escritórios de consultoria tributária, mudança de domicílio fiscal e ação de "laranjas", como cooperativas de consumo, destilarias, empresas de factoring e off-shores. A PF esclareceu que, por motivo de sigilo fiscal, o nome das companhias não será revelado.

Tudo o que sabemos sobre:
CanabravaPolícia Federal

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.