PF indicia diretores da CCE por contrabando

O Ministério Público Federal deu mostras de estar convencido do envolvimento da CCE, um dos maiores grupos industriais da Zona Franca de Manaus, em um grande esquema de contrabando. Tanto que, conforme informações do superintendente da Polícia Federal, LacerdaCarlos Júnior, os responsáveis pela empresa DM Eletrônica foram indiciados e vão responder a inquérito por formação de quadrilha e contrabando.O envolvimento da CCE no caso é configurado de duas formas. Primeiro, os principais acionistas da DM Eletrônica são os empresários Iaac Sverner, Daniel Lewin, Fisel Perl e José Radomysler, que também fazem parte da diretoria da CCE.Além disso, foram encontradas caixas com mercadoria contrabandeadas ? com a marca da CCE gravada ? nos containers da DM Eletrônica abertos pela Polícia Federal no último dia 22 de janeiro. Nestes containers apreendidos, foram encontrados produtos acabados como rádio-gravadores e microsystems, todos importados como se fossem insumos para a industrialização.Diante desse fato, a Superintendência da Zona Franca de Manaus sustou temporariamente a autorização de importação para a DM Eletrônica. Na mesma medida, foram suspensas também a Bahia South Indústria da Amazônica e a BMA Eletrônica e Comércio.Os empresários envolvidos na investigação da Polícia Federal, no entanto, negam qualquer participação no caso. Eles, inclusive, publicaram nos principais jornais de Manaus uma nota oficial esclarecendo que a DM Eletrônica atua somente como fornecedora da CCE e que esta não teria qualquer vinculo com as irregularidades de importação que estão sendo investigadas.Nesta Segunda-feira, porém, a Polícia Federal vai abrir os novos inquéritos contra os envolvidos no esquema de contrabando denunciado pelo Ministério Público.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.