PF prende 10 no RS por crimes contra a Previdência

Quadrilha que concedia benefícios indevidamente com ajuda de servidor desviou quase R$ 500 mil

Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

17 de julho de 2008 | 14h39

Dez pessoas foram presas na manhã desta quinta-feira, 17, durante a Operação Norne, da Polícia Federal, no Rio Grande do Sul, que visa combater crimes previdenciários na região. Entre os presos está um servidor do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O prejuízo ao INSS é de quase R$ 500 mil. Estão sendo cumpridos mandados de busca em Pelotas, Capão do Leão e Rio Grande. Segundo a PF, as investigações constataram que concessões indevidas de diversos benefícios previdenciários na agência de Pelotas eram feitas desde 2006, por um de seus servidores. Durante a apuração verificou-se a inserção de dados falsos, dentre eles nomes, carteiras de trabalho, e endereços, nos sistemas da Previdência Social. O bando, composto por dez integrantes, era encabeçado pelo servidor público S.A.R.P. o qual após a criação de um benefício e seu depósito nas agências bancárias, com auxílio de terceiros, incluídos nos sistemas como representantes legais, retirava o pagamento mensal e após o cessava com a inserção da morte do beneficiário.  As investigações demonstraram que por vezes o próprio servidor acompanhava os supostos representantes legais, ocorrendo saques nas agências bancárias de Pedro Osório, Canguçu, Cerrito, Piratini, e Pelotas. A cada mês eram desviados cerca de RS 15 mil. Atualmente o desvio se encontra em RS 423 mil. Além da prisão dos membros da quadrilha, foram "congelados" seus bens, os quais irão para leilão, inclusive os de uma empresa de autopeças para onde foram desviados parte dos valores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.