PF prende 22 em tentativa de golpe de R$ 1 bilhão no BB

Policiais buscam auditores da Receita Federal e gerentes do Banco do Brasil envolvidos em quatro Estados

Marcelo Auler, da Agência Estado e Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

19 de outubro de 2007 | 07h02

 A Polícia Federal realiza, nesta sexta-feira, 19, a Operação Alquimista, contra auditores da Receita Federal e gerentes do Banco do Brasil que estariam envolvidos na tentativa de saques volumosos de contas inativas do banco, que chegariam a R$ 1 bilhão. Segundo informações da PF, pelo menos 22 pessoas já foram presas em São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e Distrito Federal.  Além de funcionários da instituição e auditores da Receita, o grupo contava ainda com o apoio de consultores financeiros, um Delegado da PF aposentado, um oficial de alta patente da reserva do Corpo de Bombeiros do Rio, um ex-deputado estadual também do Rio de Janeiro, além de um ex-investigado na CPI dos Combustíveis da Assembléia Legislativa de São Paulo.  De acordo com as investigações, a organização, que agia há pelo menos 2 anos, tentou efetuar o saque de aproximadamente R$ 1 bilhão junto ao Banco do Brasil, valores que estariam, em tese, depositados na conta de um laranja residente no interior de São Paulo.  Depois de identificar essa tentativa de golpe, a Polícia Federal localizou outro grupo responsável pela distribuição dos valores obtidos ilicitamente em paraísos fiscais. Segundo a PF, o grupo realizava transferências de altas quantias entre contas bancárias no exterior, para beneficiários brasileiros. As fraudes são relacionadas a tentativas de saques em contas inativas do BB, ou contas que apareceram com saldos astronômicos, sem que seus correntistas justificassem tais valores. Como exemplo, um correntista desempregado teve seu saldo no banco ampliado para R$ 2,3 milhões. Outros exemplos também apurados foram o de um correntista de Santa Catarina, que tinha um saldo de R$ 214 milhões; e de outro, com um saldo de R$ 250 milhões. Ao todo, serão cumpridos 24 mandados de prisão temporária e 26 ordens de busca e apreensão em São Paulo, Rio de Janeiro, Goiânia e Distrito Federal com a mobilização de mais de 150 policiais federais.  Segundo a PF, também foram bloqueadas contas bancárias no Brasil e, através do DRCI contas no exterior (Uruguai, EUA e Suíça), utilizadas pelos doleiros para lavagem do dinheiro. Pelo menos um mandado de apreensão foi cumprido em Laranjeiras, na zona sul do Rio de Janeiro, de onde agentes da PF saíram de uma residência carregando malotes. No Rio, a tentativa de prender um coronel do Corpo de Bombeiros em sua suposta residência no condomínio Parque Palace, na Barra da Tijuca, foi frustrada. A casa foi encontrada vazia, com um casal de caseiros tomando conta, apesar de na sua porta estarem estacionados dois Honda Civic e um Ford Taurus.  Prejuízo O Banco do Brasil negou, em nota, que a instituição tenha sido vítima de fraude financeira e que tenha sofrido qualquer tipo de prejuízo. Segundo o comunicado, "os fatos noticiados decorrem de tentativas de golpe, que foram identificados pelo próprio BB e notificados à Policia Federal". Texto alterado às 15h52 para acréscimo de informações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.