PF prende 29 fraudadores da Previdência no Sul

A Polícia Federal desarticulou uma quadrilha que praticava fraudes contra a Previdência Social e prendeu 29 pessoas nesta terça-feira, na região metropolitana de Porto Alegre, durante uma operação denominada Com Dor. O esquema envolvia diretores do Sindicato dos Rodoviários de Porto Alegre, despachantes e dois médicos e provocou um rombo já comprovado de R$ 6,7 milhões aos cofres públicos. O superintendente regional da Polícia Federal, delegado José Francisco Mallmann, acredita, no entanto, que o prejuízo pode passar de R$ 30 milhões.A operação policial foi resultado de três investigações que corriam paralelamente. A primeira, iniciada em novembro de 2004, descobriu que um escritório despachante falsificava atestados médicos, principalmente por doenças psiquiátricas, utilizando nomes e registros de profissionais sem que eles soubessem. Funcionários do escritório forjavam os atestados e orientavam clientes a ludibriar os peritos do INSS para obter aposentadorias, cobrando R$ 400 pelo "serviço".O segundo inquérito começou em maio de 2005 e apurou que diretores do Sindicato dos Rodoviários de Porto Alegre recebiam auxílio-doença do INSS por incapacidade laboral enquanto seguiam normalmente em suas atividades profissionais. O terceiro, instaurado em fevereiro de 2006, descobriu que uma ex-funcionária do sindicato aplicava o mesmo golpe associada a outro despachante e a dois médicos que emitiam atestados falsos.Dos 31 mandados de prisão expedidos pela Justiça, a Polícia Federal conseguiu cumprir 29 durante a terça-feira, em Porto Alegre, Viamão, São Leopoldo, Alvorada e Guaíba. Os 20 homens foram conduzidos ao Presídio Central de Porto Alegre e as nove mulheres à Penitenciária Feminina Madre Pelletier. Segundo Mallmann, depois da detenção dos comandantes, que serão indiciados por formação de quadrilha e estelionato contra a Previdência Social, a Polícia Federal sairá à cata das mais de mil pessoas que se beneficiaram do esquema. "Eles terão de devolver o dinheiro", avisa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.