Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

PF prende diretores de rede de varejo do Rio por sonegação

Polícia cumpre 14 mandados de prisão contra administradores da Casa & Vídeo e fechou o depósito da empresa

Daniele Carvalho, da Agência Estado, Marcelo Auler, de O Estado de S. Paulo,

25 de novembro de 2008 | 08h49

Treze pessoas foram presas durante a operação "Negócio da China", realizada em conjunto pela Polícia Federal , Receita Federal, Ministério Público Federal e Justiça Federal, para investigar, irregularidades nas operações da rede varejista Casa & Vídeo. Apenas um dos mandatos de prisão não foi cumprido, porque o procurado está foragido. De acordo com o superintendente regional da Polícia Federal no Rio, Valdinho Jacinto Caetano, os presos serão indiciados nos crimes de sonegação fiscal, evasão de divisas, descaminho (contrabando), lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. "Foram dois anos de investigação. Acreditamos que neste período tenham sido sonegados cerca de R$ 100 milhões", disse ele, ressaltando que "o esquema era muito sofisticado e só pode ser descoberto com uma operação conjunta das autoridades federais". Entre os presos estão Luigi Fernando Milone e Atílio Milone, identificados como sócios da rede varejista. Também entre os detidos, está Samuel Gorberg, um dos sócios da importadora Asian Center. De acordo com a PF, o esquema tinha início na importação de produtos chineses que entravam no País com preços subfaturados. A diferença entre o preço real e o de entrada no Brasil era pago diretamente e de maneira ilegal aos fornecedores da China. No Brasil, estes importadores, que operavam como intermediários, repassavam estes produtos à Casa & Vídeo. Ainda de acordo com as investigações, os recursos utilizados nestas transações eram provenientes do paraíso fiscal das Ilhas Virgens britânicas. Também nas Ilhas Virgens britânicas estariam sediadas tantas importadoras como empresas ligadas à Casa & Vídeo. No total, mais de 50 empresas estão envolvidas no esquema. Caetano também disse que foi apurada a emissão de notas fiscais frias que eram utilizadas pela Casa & Vídeo para o abatimento do Imposto de Renda. Os imóveis utilizados pela rede não estão em nome de pessoas ou endereços ligados à empresa, que deve R$ 40 milhões à Previdência Social de seus empregados. Na operação, foram apreendidos oito carros blindados e oitenta carretas de produtos apreendidos no depósito geral da Casa & Vídeo, em Marechal Hermes, e também em depósitos de algumas de suas lojas. A mercadoria será encaminhada a um depósito da Conab em Barros Filho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.