PF prende empresário por suspeita de locaute

Gravação aponta que dono da empresa de logística gaúcha Irapuru ameaçou caminhoneiros que furassem a greve

Fabio Serapião, BRASÍLIA

01 Junho 2018 | 05h00

A Polícia Federal prendeu ontem o primeiro empresário suspeito da prática de locaute durante a greve dos caminhoneiros. Vinicius Pellenz, dono da empresa de logística Irapuru, de Caxias do Sul (RS), foi detido no âmbito da operação Unlocked.

A prática de locaute, paralisação promovida por empresários para atender aos seus interesses, é proibida no Brasil. No caso de Pellenz, a PF enquadrou sua atuação como atentado à liberdade do trabalho, ameaça e associação para o crime.

O crime, ainda de acordo com a PF, teria ocorrido nas rodovias RS-122, RS-452 e BR-116, na região dos municípios de Bom Princípio, Feliz e Vila Cristina, no Rio Grande do Sul.

O Estado teve acesso a um áudio atribuído ao empresário com suposta ameaça a caminhoneiros que continuavam a trabalhar após o início da greve. A gravação circulou nos grupos de WhatsApp utilizados por caminhoneiros e foi anexada ao inquérito que deu origem à prisão do empresário. 

“Ô nego, para teus caminhão ali. Vieram falar aqui que ali no Alto Feliz tu tá andando com milho. Não leva milho, não faz nada para a Agrosul”, diz o áudio creditado ao empresário. 

Em outro trecho da gravação, o empresário manda um caminhoneiro parar os caminhões. “Os guris já estão ligados. Tem uns caras escondidos nos morros das batatas ali pra cima. Agora, ninguém vai mais subir e ninguém vai descer. Para os caminhão.”

Sediada em Caixas do Sul (RS), a Irapuru informa, em seu site, que presta serviços de movimentação e armazenagem de carga em todo território nacional, Argentina e Uruguai. A reportagem tentou contato com a empresa e com o advogado Lúcio de Constantino, que defende Pellenz, mas não obteve resposta.

 

Mais conteúdo sobre:
Polícia Federal caminhoneiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.