PF prende funcionário do Credit Suisse no Rio

Prisão dá continuidade à Operação Suíça, deflagrada pela Polícia Federal em 2006

Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

23 de abril de 2008 | 12h52

Um alto funcionário do Banco Credit Suisse, uma das três maiores instituições financeiras privadas do mundo, foi preso na manhã desta quarta-feira, 23, no Rio de Janeiro, pela Polícia Federal, em continuidade à Operação Suíça, deflagrada em 2006. Durante a operação, foram realizadas buscas e apreensões no escritório de representações do Banco Credit Suisse e nas residências de funcionários. Veja também:PF apreende passaportes de gerentes de banco suíço em SPPF interroga clientes do escritório do Credit Suisse C.P.W foi preso pela PF de São Paulo, que o acompanhou por tempo integral, desde sua estada em São Paulo, quando permaneceu por cerca de 10 dias, até seu retorno ao Rio de Janeiro, quando foi preso.  À época em que foi deflagrada a Operação Suíça, a instituição financeira foi investigada por funcionar no Brasil sem autorização do Banco Central, bem como por enviar recursos de seus clientes ao exterior utilizando-se de doleiros.  O escritório de representações foi encerrado, porém a instituição financeira continuou exercendo as atividades privativas de instituição financeira sem autorização do BC, enviando funcionários diretamente da Suíça para ter contato com os clientes no Brasil. De acordo com a PF, os bancos passaram a utilizar os chamados "officers" ou "flyers", papel que estava sendo desempenhado pelo funcionário que foi preso, que periodicamente vinha ao Brasil com a finalidade de captar novos clientes para abertura de contas e investimentos em seus bancos, fazendo ainda contato com clientes antigos, para a administração e movimentação de suas contas. Os clientes brasileiros que possuem contas numeradas no Credit Suisse, já foram identificados e sofrerão investigações das autoridades brasileiras.

Tudo o que sabemos sobre:
Operação SuíçaCredit Suisse

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.