PF prende quadrilha por fraude de R$ 32 milhões ao INSS

Grupo atuava em 9 Estados e no DF confeccionando documentos falsos para solicitar pensões na Previdência

Agência Estado,

17 de novembro de 2009 | 11h37

A Polícia Federal deteve nesta terça-feira 11 pessoas acusadas de pertencer a uma organização criminosa que obtinha, indevidamente, benefícios de pensão por morte. Batizada de "Operação Vidência", a ação contou com a participação de 90 policiais em São Paulo, São José dos Campos (SP), Rio de Janeiro, Campos dos Goytacazes (RJ), Recife (PE), Salvador e Goiânia. O prejuízo aos cofres da Previdência Social pode chegar a R$ 32 milhões, sem contar os danos causados a instituições financeiras públicas e privadas.

A quadrilha, de acordo com a PF, atuava em São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Pernambuco, Bahia, Distrito Federal e Goiás. Os criminosos confeccionavam documentos falsos, como certidões de casamento, identidades, atestados de óbito e procurações, para solicitar pensões na Previdência Social.

Conforme as investigações, identidades falsas eram criadas e o grupo pagava duas ou três contribuições em nome delas. Isso criava um vínculo com o Regime Geral da Previdência. Em seguida, as pessoas criadas pela quadrilha "morriam", garantindo a seus dependentes - também inventados - o benefício de pensão por morte. O dinheiro era sacado pelos integrantes da organização. O passo seguinte dos criminosos consistia na obtenção de empréstimos consignados em bancos e financeiras.

Tudo o que sabemos sobre:
Operação VidênciafraudeINSS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.