Pfizer quer crescer nos emergentes

Fabricante estuda aquisições em países como China, Brasil e Índia

John Irish, Reuters, DUBAI, O Estadao de S.Paulo

15 de junho de 2009 | 00h00

A Pfizer, maior fabricante de medicamentos do mundo, espera concluir "nos próximos meses" algumas aquisições em países emergentes de forma a aumentar sua participação em um mercado estimado em US$ 80 bilhões, disse no domingo um executivo da companhia.Com a competição acirrada nos mercados mais maduros, as grandes companhias farmacêuticas estão de olho nas nações emergentes. Com o objetivo de melhorar sua lucratividade, em janeiro a Pfizer adquiriu sua rival americana Wyeth por US$ 68 bilhões. E em busca de novas oportunidades de crescimento em genéricos e nos mercados emergentes, a Pfizer assinou, no mês passado, um acordo de licenciamento com duas companhias indianas, incluindo a Aurobindo Pharma. "Teremos mais novidades nos próximos meses", disse à Reuters o presidente da Pfizer para mercados emergentes, Jean-Michel Halfon. "Nós estamos vemos oportunidades surgindo da crise financeira... oportunidades para construir parcerias em mercados emergentes." O executivo não quis dar maiores detalhes sobre a estratégia.A Pfizer quer adicionar US$ 3 bilhões a seu faturamento anual em países emergentes até 2012 e está de olho em China, Brasil, México, Rússia, Turquia, Índia e, em menor grau, Oriente Médio. "Nós estamos em terceiro lugar nos mercados emergentes - com 4% de participação - e queremos ser o número um."A venda de medicamentos nos países emergentes deve chegar a US$ 120 bilhões até 2012 e as maiores oportunidades de crescimento, segundo Halfon, estão na China. No primeiro trimestre, as vendas da Pfizer nos países mais populosos do mundo cresceram 28%.A fabricante, que registrou faturamento de US$ 48 bilhões em 2008, verá seu faturamento declinar de forma significativa nos próximos anos devido ao fim da validade das patentes de vários de seus medicamentos, incluindo o campeão de vendas Lipitor, usado no tratamento de colesterol. Em resposta a essa perda de receita futura, a companhia adquiriu a Wyeth. "Estamos em um ambiente muito competitivo e precisamos tomar decisões muito rapidamente", disse Halfon. "A Wyeth vai adicionar uma receita significativa para a nossa companhia em mercados emergentes."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.