Fabrice Coffrini/ AFP
Fabrice Coffrini/ AFP

Philip Morris negocia fusão com Altria

Negócio daria origem a empresa com valor de mercado de US$ 200 bilhões dedicada cigarro, álcool, vaporizadores e maconha

Redação, AFP

27 de agosto de 2019 | 16h33

WASHINGTON - A fabricante de cigarros Philip Morris International anunciou nesta terça-feira, 27, que está negociando uma fusão com a Altria, por meio de um intercâmbio de ações. A Philip Morris, porém, pontuou em nota que não existe nenhuma garantia de que essa "fusão entre iguais" se concretize.

Caso o negócio se efetive, ambas as empresas poderiam se beneficiar e enfrentar a queda de consumo de cigarros. A taxa de fumantes nos Estados Unidos passou de de 20,9% dos americanos adultos em 2005 para 14% em 2017, o equivalente a 23,3 milhões de pessoas.

Além disso, as empresas poderiam se diversificar no mercado de cigarros eletrônicos e outros produtos não tradicionais. A aliança criaria uma gigante com valor de mercado de US$ 200 bilhões dedicada ao cigarro, álcool, vaporizadores e maconha

A Philip Morris Internacional tem ações negociadas na Bolsa a um valor superior a US$ 113 bilhões de dólares e, em 2018, teve um volume de negócios de US$ 30 bilhões, com um lucro líquido de US$ 7,9 bilhões. A Altria tem ações que valem cerca de US$ 95,5 bilhões e, no mesmo período, teve um volume de negócios de US$ 25,4 bilhões, com ganho líquido de quase US$ 7 bilhões.

Recentemente, a Philip Morris International obteve a aprovação das autoridades dos Estados Unidos para apresentar seu novo cigarro eletrônico, IQOS, que esquenta o tabaco, sem chegar a queimá-lo. No final de 2018, o IQOS estava disponível em 44 mercados e era utilizado por 9,6 milhões de pessoas, segundo a Philip Morris. A Altria também planeja vender esse produto nos EUA.

As duas companhias foram uma só até 2008, ano em que a Altria se separou da Philip Morris.  Porém, ainda é dona da Philip Morris USA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.