Philips dá férias coletivas em Santo André

A Philips Iluminação, de Santo André, dá férias coletivas aos funcionários da área de produção de lâmpadas por dez dias, a partir de amanhã. Na terça-feira passada, a empresa também demitiu 30 funcionários, provocando reação do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo. O presidente da Philips do Brasil, Marcos Magalhães, minimizou as demissões. De acordo com o executivo, o número de funcionários desligados é muito pequeno, comparando-se ao total da empresa em todo o Brasil, de 5,5 mil empregados. A pesquisa do nível de emprego industrial em junho, apurada pela Fiesp, divulgado na terça-feira, mostra que o segmento de lâmpadas teve o maior percentual de demissões no mês passado, de 6,52%, entre todos as áreas ouvidas pela entidade. "A queda das vendas no mercado externo também tem tido impacto em nosso desempenho", afirmou o executivo. As exportações respondem por entre 20% e 25% do faturamento da Philips no Brasil. Política macroeconômica Em princípio, não há planos de novas demissões, segundo a assessoria da Philips. O presidente afirmou à Agência Estado, a partir de Manaus, que a perspectiva para o próximo semestre depende muito mais da política macroeconômica do que da empresa. "Esperamos uma queda rápida nas taxas de juros, oferta de crédito mais barato e uma política de estímulo ao emprego por parte do governo. Se houver essa sinalização, o Natal poderá ser melhor", afirmou Magalhães. O faturamento da indústria de eletroeletrônicos teve um recuo de 15% no primeiro semestre do ano, segundo Magalhães. A queda registrada pela Philips foi inferior à média, mas o presidente não revelou os números.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.