Philips quer aumento de até 10%

A Philips quer aumentar entre 7% e 10% os preços dos eletrônicos neste ano para compensar a alta de custos. Até agora, a companhia conseguiu reajustes parciais, entre 2% e 3%. De acordo com o vice-presidente de Áudio e Vídeo da Philips, Paulo Ferraz, o foco de pressão de custos são dois: o plástico e os componentes eletrônicos.Derivado do petróleo, o plástico ficou 8% mais caro neste ano. Os preços dos componentes eletrônicos subiram devido à demanda superaquecida, por causa da expansão da telefonia móvel e da venda de computadores. Na semana passada, segundo Ferraz, a fábrica da Philips de Manaus (AM) ficou uma semana parada por falta de componentes. A situação piorou com greve da Receita Federal. Empresa garante que produtos não faltarão O vice-presidente afirma que a empresa ainda não conseguiu recuperar os estoques e explica que a procura é tão grande que afetou o fornecimento de componentes entre as empresas do mesmo grupo.Apesar desse obstáculo, Ferraz não acredita que o consumidor seja afetado com a falta de um ou outro produto, já que as lojas têm estoque de segurança .Mesmo com pressões de custos, a companhia está otimista em relação aos resultados desse ano e planeja colocar no mercado 30 novos produtos até setembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.