PIB agrícola subiu 0,45% em 2006

O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio cresceu 0,45% em 2006 na comparação com 2005, de acordo com estudo da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/USP), divulgado na quinta-feira, 22, em Brasília. Segundo o levantamento, o PIB de todo o setor do ano passado atingiu R$ 540,06 bilhões, ante R$ 537,63 bilhões em 2005. O crescimento só foi positivo graças ao desempenho do setor industrial do agronegócio, cujo PIB cresceu 2,81% no ano passado - contando com a colaboração especialmente das usinas de açúcar e de álcool.O PIB da agropecuária, que avalia as riquezas do setor primário, apresentou uma queda de 2,12% em 2006 ante 2005, com uma redução de 0,26% na agricultura e de 4,44% na pecuária. Em 2006, a soma das riquezas geradas pelos dois setores foi de R$ 149,8 bilhões, ante R$ 153,04 bilhões em 2005.DiferençaOs dados divulgados pela CNA/Cepea divergem dos levantados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que apontou um crescimento de 3,2% no PIB agrícola brasileiro. De acordo com a CNA, a metodologia da entidade utilizou preços reais agrícolas e expressou a renda mensal do setor agropecuário de 2006. Já o IBGE utilizou preços constantes de 2005 e expressou a expansão ou retração do volume produzido.Segundo a CNA e o Cepea/USP, o produto interno bruto da agricultura no ano passado foi de R$ 84,97 bilhões, pouco menos que os R$ 85,2 bilhões do ano anterior. Já o PIB da pecuária caiu de R$ 67,84 bilhões para R$ 64,82 bilhões na mesma comparação."A queda na pecuária ocorreu pela redução nos preços, ao contrário do setor de insumos, cuja queda foi causada pelo menor uso de tecnologia pelo produtor descapitalizado", afirmou o superintendente-técnico da CNA, Ricardo Cotta. Já o PIB do setor de insumos apresentou uma queda de 2,68% em 2006.FaturamentoAinda de acordo com o estudo divulgado na quinta, o Valor Bruto da Produção, ou o faturamento do setor agrícola em 2006, atingiu R$ 172,4 bilhões, 1,9% menor que o de 2005, de R$ 175,7 bilhões. Para 2007, a expectativa é de um crescimento de 10% no VBP, para R$ 189,3 bilhões.No entanto, segundo o superintendente-técnico da CNA, apenas metade desse porcentual de aumento irá para o bolso do produtor, principalmente devido ao aumento dos custos dos insumos e às questões fitossanitárias que ampliam os gastos e reduzem a produtividade. "Esse pouco que vai sobrar será insuficiente para o produtor pagar a dívida que carrega das safras anteriores", disse Cotta.O valor estimado pela CNA para as dívidas para vencer em 2007 é de R$ 20 bilhões, o correspondente, por exemplo, a 40% de todos os recursos públicos destinados à agricultura empresarial no Plano de Safra 2006/2007. Cotta informou que ainda é cedo para se estimar um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro em 2007, o que deve ser feito apenas nos próximos meses.Ele ainda comentou que, apesar da alta dos insumos para a atual safra, a perspectiva de aumento no preço das commodities no mercado internacional anima os produtores se o dólar for mantido no patamar de R$ 2,10 durante o ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.