Adriano Machado/Reuters
O vice-presidente Hamilton Mourão Adriano Machado/Reuters

PIB bateu na trave, mas queda no ano não será tão significativa, diz Mourão

Para o vice-presidente, ainda que abaixo do previsto, crescimento de 7,7% da atividade econômica no terceiro trimestre é 'um bom resultado'

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

03 de dezembro de 2020 | 12h10

BRASÍLIA - O vice-presidente Hamilton Mourão avaliou que o resultado da atividade econômica no terceiro trimestre "bateu na trave" por ter ficado abaixo das expectativas. Em entrevista no Palácio do Planalto, ele afirmou que o Produto Interno Bruto (PIB) não deve ter uma queda tão significativa em 2020.

O PIB teve crescimento recorde de 7,7% no terceiro trimestre ante o trimestre anterior, mas ficou abaixo das expectativas de analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast, que esperavam avanço de 8,80%.

"Um bom resultado. A expectativa era oito e alguma coisa. Bateu na trave. A queda do segundo trimestre foi muito grande, ela vai ser recuperada ao longo desse terceiro, mais o quarto e no ano que vem. Isso já era o esperado", disse Mourão.

Após a divulgação do resultado pelo IBGE, algumas instituições apontam a possibilidade de a queda no PIB em 2020 ser menor do que o previsto anteriormente. No início da pandemia, chegou-se a prever uma queda do PIB de cerca de 10%. Agora, as projeções estão em uma queda em torno de 4,5%. Para o Rabobank, a projeção do ano deve passar de uma redução de 4,9% para uma queda de 4,6%. O Goldman Sachs, por sua vez, manteve a projeção de contração em 4,5%.

"O grande ponto é que as principais instituições davam que o Brasil ia ter uma queda grande este ano e a queda não será tão significativa", declarou o vice-presidente, ponderando que ter um resultado negativo na economia é "muito ruim" para o Brasil. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.