PIB cresce 1,3% no 3º trimestre e fica abaixo das estimativas

Na comparação com igual período do ano passado, PIB registra retração de 1,2%; no ano, queda é de 1,7%

Jacqueline Farid e Alessandra Saraiva, da Agência Estado,

10 de dezembro de 2009 | 09h02

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil cresceu 1,3% no terceiro trimestre deste ano, em relação ao período de abril a junho, segundo divulgou nesta quinta-feira, 10, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado veio abaixo do piso das estimativas dos analistas ouvidos pelo AE Projeções, que iam de uma expansão de 1,60% a 2,90%, com mediana de 1,95%.

 

 

O resultado consolida a recuperação econômica do País, que passou por uma recessão técnica entre o final de 2008 e o início deste ano. No primeiro trimestre de 2009, a economia brasileira encolheu 0,8%, depois de recuar 3,6% de outubro a dezembro do ano passado, quando a turbulência externa atingiu em cheio a atividade nacional. O número, porém, ficou abaixo das expectativas do governo. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, chegou a prever um crescimento de 2% no período.

VEJA TAMBÉM:
IBGE revisa resultados trimestrais do PIB
PIB abaixo do esperado derruba fatalidade da alta de juros em 2010
Um ano após auge da crise, economia se recupera
As medidas do Brasil contra a crise
Dicionário da crise

 

Na comparação com igual período do ano passado, o PIB registrou  retração de 1,2%. Nesse confronto, as expectativas iam de -0,70% a +0,90%, com mediana de  -0,30%. No ano, o PIB acumula de queda de 1,7% e em 12 meses, variação negativa de 1%. Em valores correntes, o PIB do período entre julho e setembro de 2009 somou R$ 797 bilhões.

 

O PIB da indústria manteve o crescimento no terceiro trimestre ante o período imediatamente anterior, desta vez de +2,9%. No período de abril a junho, o setor teve crescimento de 2,1%. Já na comparação com o terceiro trimestre do ano passado, a indústria teve queda de 6,9% no terceiro trimestre.

 

Já o PIB da agropecuária teve um queda de 2,5% no terceiro trimestre ante o segundo. Na comparação com o terceiro trimestre do ano passado, o PIB deste setor caiu 9,0% no terceiro trimestre deste ano. No setor de serviços, o PIB teve uma alta de 1,6% no terceiro trimestre ante o segundo. Ao se comparar com o terceiro trimestre do ano passado, o PIB de serviços subiu 2,1% no terceiro trimestre deste ano.

 

Exportações crescem pouco

 

Segundo o IBGE, as exportações subiram apenas 0,5% no terceiro trimestre deste ano, na comparação com o segundo trimestre. No período de abril a junho, as vendas externas haviam registrado expansão de 14,1% em relação ao primeiro trimestre deste ano. Na comparação com o terceiro trimestre do ano passado, as vendas externas tiveram queda de 10,1% no terceiro trimestre deste ano.

 

Já as importações subiram 1,8% no terceiro trimestre, ante o segundo trimestre do ano. Na comparação com o terceiro trimestre do ano passado, elas tiveram queda de 15,8% no terceiro trimestre de 2009.

 

A contabilidade das exportações e importações no PIB é diferente da realizada para a balança comercial. No PIB, entram bens e serviços e as variações porcentuais divulgadas dizem respeito ao volume. Já na balança comercial, entram só bens e o registro é feito em valores, com grande influência dos preços.

 

Investimentos

 

Os investimentos, ou Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), subiram 6,5% no terceiro trimestre deste ano, em comparação com o segundo trimestre de 2009. Na comparação com o terceiro trimestre do ano passado, a FBCF caiu 12,5% no terceiro trimestre deste ano.

 

Os dados mostram recuperação em relação ao segundo trimestre, quando os investimentos ficaram estáveis (0,0%) em relação aos primeiros três meses do ano, e caíram 17% na comparação com o segundo trimestre de 2008. A Formação Bruta de Capital Fixo é constituída principalmente por máquinas e equipamentos e pela construção civil.

 

Já a taxa de investimento (FBCF/PIB) ficou em 17,7% no terceiro trimestre deste ano, inferior à do mesmo período de 2008 (20,1%). No segundo trimestre de 2009, a taxa havia ficado em 15,7%. Na média do primeiro semestre, a taxa de investimento foi de 16,1% - no mesmo período do ano passado tinha sido de 18,5%.

 

Consumo

 

O consumo das famílias subiu 2,0% no terceiro trimestre deste ano, na comparação com o segundo trimestre de 2009. Na comparação com o terceiro trimestre do ano passado, o consumo das famílias subiu 3,9% em igual período deste ano.

 

Já o consumo do governo cresceu 0,5% no terceiro trimestre deste ano, ante o segundo trimestre de 2009. Na comparação com o terceiro trimestre do ano passado, o consumo do governo teve alta de 1,6% no terceiro trimestre deste ano.

Entenda o que é o PIB

 

O Produto Interno Bruto representa o total de riquezas produzido num determinado período num país. É o indicador mais usado para medir o tamanho da economia doméstica. No Brasil, o cálculo é realizado pelo IBGE, órgão responsável pelas estatísticas oficiais, vinculado ao Ministério do Planejamento.

 

O cálculo do PIB leva em conta o acompanhamento de pesquisas setoriais que o próprio IBGE realiza ao longo do ano, em áreas como agricultura, indústrias, construção civil e transporte. O indicador inclui tanto os gastos do governo quanto os das empresas e famílias. Mede também a riqueza produzida pelas exportações e as importações.

 

O IBGE usa ainda dados de fontes complementares, como o Banco Central, Ministério da Fazenda, Agência Nacional de Telecomunicações e Eletrobrás, entre outras.

 

O PIB pode ser medido de duas formas, para um mesmo resultado. Quando o PIB é analisado pela ótica de quem produz essas riquezas, entram no cálculo os resultados da indústria (que respondem por 30% do total), serviços (65%) e agropecuária (5%).

 

Outra maneira de medir o PIB é pela ótica da demanda, ou seja, de quem compra essas riquezas. Nesse caso, são considerados o consumo das famílias (60%), o consumo do governo (20%), os investimentos do governo e de empresas privadas (18%) e a soma das exportações e das importações (2%).

 

Texto atualizado às 10h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.