PIB cresce 2,7% no trimestre sobre o ano passado

AO Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil cresceu 2,7% no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. É o primeiro resultado positivo depois de uma sequência de três trimestres em queda na comparação com os mesmos trimestres do ano anterior, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Os três setores que contribuem para o PIB mostraram taxas positivas: agropecuária cresceu 6,4%; indústria 2,9% e os serviços 1,2%. O valor adicionado total cresceu 2,5% e os impostos sobre produtos 4%. O consumo das famílias aumentou 1,2%. Esse item vinha apresentando quedas sucessivas nessa comparação desde meados de 2001 com uma exceção no terceiro trimestre de 2002. O investimento (FBCF) registrou elevação de 2,2% após quatro trimestres em queda. O consumo do governo aumentou 1,5%. As exportações cresceram 19,3% sobre o mesmo período do ano passado e as importações 11,7%. 1,6% sobre o trimestre anterior O PIB cresceu 1,6% no primeiro trimestre de 2004 em relação ao quarto trimestre de 2003, na série com ajuste sazonal. A agropecuária teve crescimento de 3,3%, a indústria de 1,7% e o setor de serviços de 0,4%. O Investimento no conceito de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) cresceu 2,3%, segundo o IBGE, ratificando a retomada iniciada no terceiro trimestre de 2003, após um primeiro semestre daquele ano com quedas superiores a 5% neste indicador. O consumo das famílias cresceu 0,3% e o consumo do governo cresceu 0,8%. As exportações de bens e serviços aumentaram 5,6% sobre o trimestre anterior e as importações de bens e serviços, aumentaram 4%. No acumulado em 12 meses, zero No acumulado nos últimos 12 meses encerrados em março, o PIB ficou estável, em 0,0%, na comparação com os 12 meses anteriores. Nesta comparação, a agropecuária cresceu 4,0%, enquanto a indústria teve queda de 1,0% e os serviços registraram estabilidade, com variação de 0,1%. O valor adicionado também ficou estável em 0,1% e os impostos sobre produtos, verificados pela venda desses produtos, tiveram queda de 0,9%. Pelo lado da demanda, o consumo das famílias teve queda de 2,3% no período e o investimento (FBCF) também mostrou redução de 5,7%. O consumo do governo, porém, registrou aumento de 1,0 nos últimos 12 meses e as exportações de bens e serviços cresceram 14,6% no período. As importações aumentaram 2,1% nos acumulados dos quatro trimestres, sendo que essa taxa interrompeu uma sequência de quedas nessa comparação desde o primeiro trimestre de 2002.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.