Dirceu Portugal/FotoArena
Dirceu Portugal/FotoArena

PIB da agropecuária cresce 0,1% em 2018, limitado por greve dos caminhoneiros

Segundo o IBGE, desempenho modesto é justificado pela alta base de comparação com 2017, quando o setor registrou avanço de 12,5%

Gustavo Porto, Isadora Duarte e Barbara Nascimento, O Estado de S.Paulo

28 de fevereiro de 2019 | 12h12

O Produto Interno Bruto (PIB) da agropecuária subiu 0,1% em 2018 ante 2017. Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que anunciou nesta quinta-feira, 28, os resultados das Contas Nacionais Trimestrais. O PIB do País avançou 1,1% no - mesmo resultado de 2017 - e 0,1% no último trimestre.

No quarto trimestre de 2018, o PIB da agropecuária subiu 0,2% contra o terceiro trimestre. Na comparação com o quarto trimestre de 2017, teve alta de 2,4%.

O coordenador do Núcleo Econômico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Renato Conchon, afirmou ao Estadão/Broadcast Agro que o crescimento modesto do  PIB da agricultura no ano passado é justificado pela alta base de comparação com 2017, quando registrou crescimento de 12,5%.

"O PIB de 2018 poderia ser melhor, já que estimávamos alta de 0,5%. Mas a base de comparação foi forte e, além disso, 2018 não foi ano maravilhoso, pois teve condições climáticas adversas e 'brindes' como a greve de caminhoneiros e as eleições", disse.

O coordenador do Núcleo Econômico da CNA lembrou que o processo eleitoral trouxe volatilidade para o dólar no segundo semestre do ano passado, época de compra de insumos por parte dos agricultores. "O ambiente econômico não foi um dos melhores", concluiu.

Ele ainda afirmou que a entidade estima alta de 3,5% do PIB da Agropecuária em 2019. Segundo Conchon, a base de comparação com 2018, cuja alta foi apenas 0,1% sobre 2017, é baixa e favorecerá o desempenho do PIB setorial este ano.

Para a consultoria MB Agro, após o leve crescimento em 2018, o setor não deve ter muito a comemorar em 2019. "O indicador veio dentro do esperado. No período, tivemos quebras expressivas nas safras de milho e cana-de-açúcar. O resultado não foi ainda pior porque a produção de soja no ano foi boa", disse José Carlos Vannini Hausknecht, sócio diretor da consultoria.

O executivo acredita que a Operação Carne Fraca e a greve dos caminhoneiros também contribuíram para limitar a produção agropecuária. A primeira porque levou o setor pecuário a reduzir a produção, em virtude de embargos nas exportações. Já a segunda porque restringiu a produção de setores que dependem de cargas vivas ou perecíveis.

"Tivemos uma série de problemas no setor com a paralisação dos caminhoneiros, entre eles, recuo no abate de animais por falta de ração e milhares de litros de leite jogados fora", ressaltou Hausknecht.

A estimativa da consultoria para o PIB da agropecuária neste ano é de queda ou, no máximo, crescimento próximo de zero. "O desempenho do setor tende a ser pior do que no ano passado, principalmente pelo aperto na safra de soja. Será próximo de zero somente se a produção de milho se recuperar e compensar, parcialmente, as perdas da colheita de soja. Caso contrário, será ainda pior", explicou Hausknecht.

A economista da Fundação Getulio Vargas, Luana Miranda, acredita  que o desempenho da agropecuária é cíclico e deve voltar a decepcionar em 2019. "Vai ser um ano difícil para a agropecuária, por questões climáticas. Alguns produtos já estão com problemas na safra", aponta.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.