EFE/David Fernandez
EFE/David Fernandez

PIB da Argentina recua 4,2% no segundo trimestre

No acumulado do ano em relação ao mesmo período de 2017, a economia argentina apresenta contração de 0,5%

Victor Rezende, Monique Heeman e Anna Carolina Papp, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2018 | 17h45

O Produto Interno Bruto (PIB) da Argentina apresentou uma contração de 4,2% no segundo trimestre em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com o Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (Indec) do país. Analistas consultados pela Trading Economics projetavam recuo de 5,3% no período. Em termos dessazonalizados, houve contração de 4,0% na passagem do primeiro trimestre para o período entre abril e junho.

De acordo com o Indec, o PIB apresenta uma forte desaceleração em relação ao primeiro trimestre, quando houve expansão de 3,9% em base anual. No acumulado do ano em relação ao mesmo período de 2017, a economia argentina apresenta contração de 0,5%. 

O país, que atravessa uma severa crise econômica, viu o peso argentino se desvalorizar mais de 50% em relação ao dólar este ano. No final de agosto, o governo de Maurício Macri pediu adiantamento do socorro financeiro ao FMI e elevou a taxa de juros do país 45% para 60% ao ano

Além da forte desvalorização cambial, que desaquece a economia, o jornal argentino La Nación atribuiu a queda do PIB à seca no país, “a pior em 40 anos” – o que levou o setor da agricultura a recuar, segundo a publicação, 31,6% no período.

Otimismo

Ontem, porém, o peso argentino fechou em alta em relação ao dólar, diante do otimismo de investidores após o Ministério da Fazenda da Argentina solicitar a criação de Letras do Tesouro (Lecap), com o intuito de conter a alta do dólar. A intenção do governo com esses títulos é tentar fazer com que investidores mantenham investimentos em pesos argentinos, evitando uma maior demanda pela moeda americana.

Na noite de segunda-feira, Macri apresentou ao Congresso o plano orçamentário para 2019, que contém um grande aperto fiscal e, se implementado na íntegra, pretende estabilizar a dívida pública. “No entanto, alguns pedidos importantes do FMI foram evitados”, afirmaram analistas da Capital Economics.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.